O desrespeito ao Estado e o desrespeito do Estado

Há um bom tempo que o poder público – estado e município - está distante das comunidades que mais precisam dos seus serviços nas áreas de saneamento, saúde, educação e segurança

Há um bom tempo que o poder público – estado e município - está distante das comunidades que mais precisam dos seus serviços nas áreas de saneamento, saúde, educação e segurança
Há um bom tempo que o poder público – estado e município - está distante das comunidades que mais precisam dos seus serviços nas áreas de saneamento, saúde, educação e segurança (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

As cenas de guerra urbana registradas no Conjunto Colibri, em Maceió, pareciam cenas de um filme. Renderam ótimas imagens para os jornalistas. Estes foram vítimas de ameaças e até um veículo da imprensa foi destruído, embora estivessem presentes apenas para relatar os fatos.

Mas por trás do ocorrido – e sem qualquer julgamento sobre a ação da polícia que desencadeou naquela reação desproporcional – fica claro que há um poder paralelo dominando regiões na capital alagoana.

Os relatos sobre a presença de pessoas da comunidade fortemente armadas é a comprovação. Há um bom tempo que o poder público – estado e município - está distante das comunidades que mais precisam dos seus serviços nas áreas de saneamento, saúde, educação e segurança.

Como inexiste espaço desocupado, grupos criminosos surgiram, cresceram e se reforçaram funcionando de maneira organizada como uma empresa. Lá eles governam. E como objetivam o lucro, enfrentam quem se dispor a enfrentá-los.

O Estado desrespeitou os mais pobres, estes agora desrespeitam o Estado. E não adianta usar como justificativa apenas que a questão da violência é nacional, porque é. No entanto, más administrações espalhadas pelo País deram espaço para o crescimento de tamanho poder paralelo.

Uma grande e grave omissão da classe política e dos gestores públicos aqui e alhures.

Talvez, pelo nível da classe política brasileira, esteja na hora de acolhermos uma ideia defendida por intelectuais e alguns poucos políticos, que é o de limitar que um político eleito possa ser reeleito para o mesmo cargo apenas uma vez.

Funcionaria assim: um deputado estadual eleito e reeleito após a conclusão do segundo mandato poderia concorrer, naquela eleição, ao cargo de deputado federal, senador ou governador. Essa regra funcionaria para os demais cargos e assim sucessivamente.

Dessa forma, abriria espaço para outros nomes, evitaria a profissionalização de políticos e clãs familiares. Talvez assim trabalhassem mais, fossem mais ágeis nas votações e efetivamente exercessem o poder.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247