O destino de Lula depende de dois votos

"A ameaça de prisão de Lula logo a seguir ao julgamento de seu último recurso no TRF-4, no próximo dia 26, só pode ser considerada coação ilegal pelos ministros que votaram contra a prisão em segunda instância, pois a lei, expressa na constituição pelo artigo 5º, garante que ninguém pode ser considerado culpado antes de esgotados todos os recursos na última instância, e não na segunda", afirma Alex Solnik; o jornalista lembra que "os ministros que votaram a favor da prisão em segunda instância em 2016 não vão considerar a ameaça de prisão de Lula no dia 26 uma 'coação ilegal' e, portanto, não vão conceder o HC preventivo", escreve o colunista Alex Solnik

lula
lula (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Eu acho que, para descobrirmos como os 11 ministros do STF vão votar no julgamento do habeas corpus preventivo de Lula, nesta quinta, é importante verificar como eles votaram na questão da prisão em segunda instância, em outubro de 2016.

Por que isso é tão importante?

Porque só se pode conceder habeas corpus preventivo ao cidadão ameaçado de coação ilegal iminente pelo estado.

A ameaça de prisão de Lula logo a seguir ao julgamento de seu último recurso no TRF-4, no próximo dia 26, só pode ser considerada coação ilegal pelos ministros que votaram contra a prisão em segunda instância, pois a lei, expressa na constituição pelo artigo 5º., garante que ninguém pode ser considerado culpado antes de esgotados todos os recursos na última instância, e não na segunda.

Os ministros que votaram contra a prisão em segunda instância foram Marco Aurélio Melo, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e Dias Toffoli.

São cinco votos garantidos para Lula.

Os ministros que votaram a favor da prisão em segunda instância em 2016 não vão considerar a ameaça de prisão de Lula no dia 26 uma "coação ilegal" e portanto não vão conceder o HC preventivo. São eles: Cármen Lúcia, Luiz Roberto Barroso, Edson Facchin, Luiz Fux, Gilmar Mendes e Teori Zavaski, já falecido.

Mas vale a pena lembrar que, em seu voto, Gilmar Mendes afirmou que "no caso de se constatar abuso na decisão condenatória, os tribunais disporão de meios para sustar a execução antecipada, e a defesa dispõe de instrumentos como o habeas corpus e o recurso extraordinário com pedido de efeito suspensivo".

Ou seja, deu a entender que pode ser a favor de habeas corpus, apesar de não ser contra a prisão em segunda instância. Mas não ficou claro se seria favorável a habeas corpus preventivo.

Não se sabe como vai votar Alexandre de Moraes, sucessor de Teori Zavaski.

O destino de Lula depende desses dois votos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247