O espetáculo burlesco do impeachment

Estes que tiveram suas máscaras de golpistas expostas, aguardarão o julgamento irrefutável da história, sob a resistência e os protestos dos que decidiram não ficar inertes diante daqueles que elegeram corruptos como heróis

Estes que tiveram suas máscaras de golpistas expostas, aguardarão o julgamento irrefutável da história, sob a resistência e os protestos dos que decidiram não ficar inertes diante daqueles que elegeram corruptos como heróis
Estes que tiveram suas máscaras de golpistas expostas, aguardarão o julgamento irrefutável da história, sob a resistência e os protestos dos que decidiram não ficar inertes diante daqueles que elegeram corruptos como heróis (Foto: Erika Kokay)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

"Pelo aniversário da minha neta; pelos fundamentos do cristianismo; pelos maçons do Brasil; pela família quadrangular; pela minha mãe nega Lucimar; pela minha esposa, meu filho e minha filha; pelo comunismo que assombra o País; pelas vítimas da BR 251; pela 'república de Curitiba'; pelo fim dos petroleiros, digo, do petrolão; pelo fim da rentabilização de desocupados e vagabundos; pelo fim da corrupção; em nome de Deus e do povo".

Pasmem. Essas declarações não foram feitas em um programa de auditório sensacionalista qualquer ou em uma peça teatral burlesca sobre a política brasileira. Esses foram os argumentos literais utilizados por deputados e deputadas para justificar seu voto pela abertura do processo de impedimento de uma presidenta da República, na Câmara Federal, no domingo (17/4).

As despropositadas declarações viralizaram em forma de piada nas redes sociais e transformaram-se em tragédia e escândalo na imprensa internacional. O que o Brasil e o mundo presenciaram foi um espetáculo de mediocridade, uma sessão que não dignifica o parlamento brasileiro, ao contrário, desnuda seu caráter de completa desqualificação.

E as tais pedaladas fiscais? E o crime de responsabilidade? A flagrante ausência de fundamentação jurídica para a abertura do processo fica límpida a medida que não faz parte do repertório das justificativas de voto dos nobres parlamentares.

Em clima de festa e de euforia irrefletida tudo foi permitido: confetes, gritos, até aplausos à corrupção e à memória de torturadores da presidenta Dilma Rousseff, durante o período da ditadura militar.

Foi montado um coreto ao redor do microfone dos votantes, onde os partidários do impeachment intimidaram, agrediram e tentaram cercear o direito de manifestação dos contrários, ao mesmo tempo em que eram eufóricos e elogiosos com os seguidores da quebra da legalidade democrática.

Presenciamos um festival de fundamentalismos, seja o fundamentalismo patrimonialista (dos que acreditam que cercas e bois valem mais que pessoas), o religioso (dos que buscam romper com o Estado Laico), ou mesmo o fundamentalismo punitivo (dos que apontam as armas e as grades como solução para a violência no País). Cada um retirava o outro para dançar e o Brasil, perplexo, viu o desenrolar de um baile macabro.

Jogatinas foram feitas com o destino da Nação, desde grandes acordos realizados nas sombras, com o loteamento de poderes inexistentes e ainda não conquistados, até um vergonhoso bolão sobre o placar de votações.

O jogo, organizado por ninguém menos que o deputado que ocupa o cargo de corregedor da Câmara - responsável pela manutenção do decoro, da ordem e da disciplina na Casa –, reuniu 51 parlamentares, cada qual apostando o valor de R$ 100.

Para completar seu caráter festivo e de escárnio, o teatro teve, Eduardo Cunha, como o protagonista burlesco mor dessa tragicomédia brasileira. Um corrupto - réu no Supremo Tribunal Federal, acusado de receber propinas milionárias e de possuir contas secretas no exterior, fruto de lavagem de dinheiro - foi quem dirigiu todo o espetáculo.

Mas não para por aí a baixeza e indignidade dos personagens. Uma das parlamentares dedicou seu "SIM, SIM, SIM" pelo impedimento da presidenta ao marido, por considerá-lo um "exemplo de gestor para o Brasil". Um dia depois, o País foi surpreendido com a prisão do então prefeito de Montes Claros (MG), acusado de beneficiar a própria família em detrimento do Sistema Único de Saúde (SUS). E, ela, eleita pelas redes sociais como a representante maior da hipocrisia dos que votaram SIM.

As máscaras caíram. Essa é a cara dos golpistas! Essa é a cara dos golpistas! Se hoje não temos as fardas, nós temos os paletós — via de regra, muito apertados. Se não temos as botas, nós temos os sapatos de luxo. Se não temos as baionetas, temos as canetas e os microfones.

Com cartazes do tipo "Tchau, Querida", 367 parlamentares optaram por rasgar a Constituição Federal e pisotear a democracia. Como parte do gran finale, jogaram para a plateia o golpe, como se confete fosse.

Estes que tiveram suas máscaras de golpistas expostas, aguardarão o julgamento irrefutável da história, sob a resistência e os protestos dos que decidiram não ficar inertes diante daqueles que elegeram corruptos como heróis.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email