O fascismo em pele de bisão



A invasão ao Congresso norte-americano, tal qual vimos na última quarta-feira, 06/01/21, entrou para a história mundial. As cenas pareciam ter saído daqueles inúmeros filmes de ação, que tratam de invasões à Casa Branca, como aquilo que ocorre na série Designated Survivor, com o Kiefer Sutherland, ou ainda como se dá o surgimento de Gilead, na narrativa distópica O conto da aia (1985), de Margaret Atwood. Mas não, era a mais pura realidade. E assim, a nação que sai por aí “restaurando” a democracia no país dos outros estava sob ataque, numa clara tentativa de autogolpe instigado pelo próprio presidente do país, que se recusa aceitar a derrota nas eleições que elegeram o democrata Joe Biden.

Muitas são as perguntas acerca de como tudo aquilo aconteceu. Não se pode, no entanto, demonstrar surpresa, uma vez que que o ovo da serpente vem sendo chocado há pelo menos cinco anos em terras norte-americanas, seja nas redes sociais, seja nos púlpitos das inúmeras empresas travestidas de igrejas. Deslegitimar a democracia e minar as instituições durante todo esse tempo não poderia resultar em boa coisa (qualquer semelhança com o Brasil não é mera coincidência), e o que se viu foi o resultado de uma tentativa de pôr abaixo o Estado Democrático de Direito, coisa que não se via por lá desde o século XIX. O autogolpe de Trump só não funcionou por, ao contrário do que acontece nos países da América Latina, não ter contado com o apoio das forças armadas, que por lá são instituições sólidas que se recusam a violar a Constituição, e cujos oficiais não se vendem por cargos no governo. Não se pode, contudo, dizer o mesmo das forças militares auxiliares que, certamente, deverão ser investigadas acerca da possibilidade de alguma forma de não-ação, que possa ter favorecido a invasão ao Capitólio. 

A falha no sistema de segurança do Congresso, que pôs em risco a vida dos parlamentares, bem como do vice-presidente e outras autoridades, parece-nos bastante incomum. A resposta dada por forças especiais como a SWAT, por exemplo, foi muito mais lenta do que em outras situações. Por enquanto, há mais conjecturas que constatações, mas o fato é que “a maior democracia do mundo” foi vilipendiada, ferida por dentro pelos seus. Quanto a isso não há refutações. Resta saber como as coisas ficarão por lá, e em quanto tempo a reprodução daquele caos se alastrará por países como o Brasil, onde as instituições se fingem de mortas, enquanto a democracia sangra.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Brancos, os invasores do Congresso não pareciam ter sido, como demonstram certas imagens, nem repreendidos pela polícia, que posou, inclusive, para selfies com os invasores; algo muito diferente daquilo que se viu acerca da gigantesca operação de guerra mobilizada para reprimir a manifestação pacífica do Black Lives Matter, em junho de 2020, quando do assassinato de George Floyd ocorrido em maio. Na ocasião, todas as polícias foram convocadas, com helicópteros, cavalos e bombas de gás. E mesmo sendo uma manifestação pacífica foi duramente reprimida pelo aparato policial. Por qual razão, então, o mesmo efetivo policial não estava a postos para proteger o Congresso e os congressistas? Uma resposta pode ser a que foi dada por Jaylen Brown que, ao parafrasear Martin Luther King, disse algo como: “Há duas Américas diferentes. Numa delas, você pode ser morto enquanto dorme no seu carro, vende cigarros ou brinca no quintal de casa. Na outra, você pode até invadir o Congresso. Nesta segunda América, não há bombas de gás nem prisões em massas”. Fazendo coro ao atleta da NBA, Joe Biden disse: “Ninguém pode me dizer que, se fosse um grupo de BLMs (sigla para Black Lives Matter) protestando, eles não teriam sido tratados de maneira muito diferente do que a multidão de bandidos que invadiram o Capitólio. Todos nós sabemos que isso é verdade e é inaceitável. Completamente inaceitável”, concluiu. Também nas democracias, sabe-se, alguns são mais iguais que outros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Livres e à vontade, os supremacistas brancos desfilaram com suas bandeiras racistas e camisetas com alusão ao nazismo pelos corredores do Capitólio. No centro de tudo, a imagem de um sujeito vestido em pele de bisão viralizou. Perdido no vazio da sua estupidez, o referido masculinista grunhe meia dúzia de palavras e garante seus cinco minutos de fama. Com a cara pintada nas cores da bandeira dos EUA, imagina-se que o pobre homem acredita ser um William Wallace às avessas, a serviço do rei. Seu rei, no entanto, está nu, exposto e quase deposto. Mal sabe ele, mas aberta está a temporada de caça aos bisões. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email