O fim da Lava Jato e a vingança de Moro

O encontro pessoal dos dois está sendo anunciado pela mídia como um grande espetáculo. Uma revista os pintou como lutadores de boxe. Outra, como gladiadores. Ninguém tem ilusão que não se trata de um embate pessoal. O Estado agindo de forma vingativa

Moro e Lula
Moro e Lula (Foto: Guilherme Coutinho)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Recentemente, alguns aspetos basilares da Operação Lava Jato foram questionados por instâncias superiores da Justiça, impondo derrotas tácitas ao Juiz Sérgio Moro.Entre outros revezes,  o  instituto – autoritário – das prisões preventivas, com longos períodos de duração, está sendo frequentemente derrubado pela Suprema Corte. Sem o absolutismo da primeira instancia, e perto do seu fim, a famosa Operação aposta suas fichas em seu objetivo preambular e na vendetta de um Estado vingativo: a prisão de Lula em um espetáculo midiático.

O Princípio do Juiz Natural, consagrado em nossa Carta Magna, prevê a imparcialidade do órgão julgador. Mas parece claro, para apoiadores e críticos da Lava Jato, que a relação de Moro com Lula Já é pessoal há muito tempo. O Juiz têm trocado todos os envolvidos  por informações sobre o Ex-Presidente.  Condenados por assumidamente desviarem dezenas de milhões de reais vivem confortavelmente em condomínios de luxo. Tudo por informações relevantes. Ou seja, contra Lula. Na corrida contra o tempo para 2018 vale tudo. Inclusive declarações sem provas.

Moro ainda, de forma ressentida e pessoal, exigiu de forma ortodoxa e pouco democrática, que Lula comparece aos 87 depoimentos de testemunhas, como forma de constranger o   investigado e restringir o completo acesso à justiça. Felizmente, essa foi mais uma derrota de Moro frente a uma instancia superior: o TRF da 4Região derrubou a decisão e o processo, nesse aspecto, vai correr com ares de normalidade. Não é a primeira vez que o juiz age de forma parcial contra Lula: Moro já havia, de forma inconstitucional, divulgado os áudios da conversa de Lula com Dilma e até de Dona Marisa com seu filho, ainda antes do impeachment.

O encontro pessoal dos dois está sendo anunciado pela mídia como um grande espetáculo. Uma revista os pintou como lutadores de boxe. Outra, como gladiadores. Ninguém tem ilusão que não se trata de um embate pessoal. O Estado agindo de forma vingativa. Esse será o fim da Operação Lava jato. Caso Lula seja preso por Moro, alguém acredita que será lhe oferecido o benefício da delação premiada? O PT foi o primeiro e também será o último e derradeiro alvo da República de Curitiba.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247