O fotógrafo mexicano que “previu” o mundo em que vivemos

Feitas anos antes da pandemia, fotos de Saul Landell espantam e perturbam com sua atualidade apocalíptica

www.brasil247.com - DETALHE DE FOTO DO MEXICANO SAUL LANDELL
DETALHE DE FOTO DO MEXICANO SAUL LANDELL (Foto: SAUL LANDELL)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Cynara Menezes, no Socialista Morena e para o Jornalistas pela Democracia - Em tempos de Covid-19, muita gente se assustou ao se deparar com as fotos do mexicano Saul Landell nas redes sociais. “Como você pode ser tão insensível de fazer imagens colocando máscaras em bonecos num momento como esse?”, perguntavam. Da reclamação, alguns passaram ao insulto. De fato, as fotografias de Landell perturbam, provocam tristeza, desconforto e espanto ao retratar de forma dramática cenas tão atuais –não fosse o fato de terem sido feitas anos antes da pandemia.

Oriundo da pintura, influenciado por René Magritte e Giorgio de Chirico, Saul utiliza como paisagem o deserto; as máscaras começam a aparecer como elemento nas fotografias a partir de 2010, ou seja, 10 anos antes do coronavírus. “Dizia Oscar Wilde: ‘Dá uma máscara a um homem e te dirá a verdade’. A máscara é um espelho onde você descobre sua própria solidão e constrói a si mesmo a partir do olhar dos outros. Talvez por isso, no afã de entender minha própria solidão, é que são tão recorrentes em meu trabalho as máscaras, os espelhos, o deserto, o horizonte. A epidemia nos confrontou com a solidão”, explica o fotógrafo.

“Me aproximei da fotografia com a intenção de apagar a fronteira entre fotografia e pintura, não com a intenção de enganar o olho e sim de dar à realidade um pouco de magia (realismo mágico), basicamente para responder duas perguntas: devo tomar fotos do mundo que vejo ou do mundo como o entendo? Devo fazer fotos de um mundo real ou de um mundo possível? Depois de quase 12 anos devo dizer que ainda não tenho respostas para essas perguntas. Na verdade o que tenho são mais perguntas.”

PUBLICIDADE

“É indevido exigir que a fotografia siga só o caminho de documentar o momento como uma reportagem. A fotografia, assim como qualquer manifestação artística, deve confrontar o homem com seus medos e culpas, com seus sonhos e pesadelos, com sua solidão. Mesmo com a dificuldade do momento atual, não devemos desperdiçar esta oportunidade única de revermos muitas das ‘verdades’ que tínhamos como certas, aprender da experiência e sair fortalecidos. O mundo não será o mesmo, por que nós devemos seguir sendo os mesmos?”, filosofa.

Não há como olhar o cenário apocalíptico das fotos de Saul, o mundo claustrofóbico e inóspito onde todos usam máscaras, sem comparar com nosso cotidiano atual, sem pensar que, de certa forma, ele “previu” o que estamos vivendo hoje e talvez vivamos durante muito tempo. É como se cada uma das fotografias tivesse o dom de provocar angústia sobre o presente e dúvidas a respeito do que o futuro nos reserva. 

PUBLICIDADE

Observem algumas fotos no Blog da Cynara Menezes.

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email