O fraco contra o mais fraco

A classe média proletária tenta ficar grudada nos opressores, os que controlam o processo econômico e político, reproduzindo e estendendo o preconceito de classe. Essa observação fica exposta e clara quando a sociedade tem a oportunidade de se manifestar diante de algum acontecimento midiático, como o que ocorreu na Ponte Rio-Niterói

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A classe média proletária, também conhecida como ‘emergente’, porque é assalariada e ainda depende do emprego para sua subsistência, prefere fazer claque para a burguesia a ter ouvidos e olhos para o que acontece do seu lado na rua, no condomínio e no escritório. Como mantém um padrão de vida e de consumo acima da maioria da população, a classe média proletária tenta ficar grudada nos opressores, os que controlam o processo econômico e político, reproduzindo e estendendo o preconceito de classe.

Essa observação fica exposta e clara quando a sociedade tem a oportunidade de se manifestar diante de algum acontecimento midiático, como o que ocorreu ontem na Ponte Rio-Niterói quando um rapaz, os motivos ainda não foram revelados, ‘sequestrou’ um ônibus de passageiros por quase quatro horas. O rapaz foi atingido fatalmente por um sniper da polícia militar. A classe média celebrou.

O governador Wilson AuschWitzel aproveitou o momento e protagonizou cena lamentável ao descer de helicóptero na Ponte e sair aos pulos e aos berros, de punhos fechados, sob os aplausos de quem estava ali. O que o governador comemorava? A banalização da vida e a normalização da morte, provavelmente.

A sociedade foi atacada por uma epidemia que atrofia a visão social, comprometendo a consciência crítica e a capacidade de se solidarizar com o outro. O fraco se fortalece oprimindo o mais fraco na hierarquia capitalista, na pirâmide da desigualdade. A posição, o status, ocupa todo o lugar, toda a estrutura relacionada ao que conhecemos por civilização e humanidade.

A deformação causada pelo máximo poder aquisitivo contemporâneo, em outras épocas o conhecimento valia mais que o ouro, faz crescer a fila das populações marginalizadas, as que procuram por qualquer meio que lhes possa garantir sobrevivência.

A lógica do manejo racional diz que o mais forte sempre vencerá o mais fraco, mas nem sempre quem sobrevive é aquele que venceu. Muitas vezes, quem melhor se adapta é o mais forte. Nesse contexto a classe média precisa descer do altar falso que ocupa, despir-se das roupas que não são suas, livrar-se do exoesqueleto que impede sua autenticidade e lutar nas ruas, ao lado dos oprimidos, contra os heróis que não são seus.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247