O golpe nas mãos do réu Eduardo Cunha perde apoio

Impressionante a operação de setores da mídia para dar o golpe como fato consumado. A situação está difícil é para a oposição que está longe de conseguir os votos para o impeachment na Câmara, sendo que ainda precisa passar pelo Senado. Além disso, o STF deve ser acionado para dizer se Dilma cometeu crime de responsabilidade ou não

Brasília- DF- Brasil- 10/03/2015- Vice-presidente Michel Temer se reúne com presidente da Câmara, Eduardo Cunha (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Brasília- DF- Brasil- 10/03/2015- Vice-presidente Michel Temer se reúne com presidente da Câmara, Eduardo Cunha (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil) (Foto: Laurez Cerqueira)

Impressionante a operação de setores da mídia para dar o golpe como fato consumado.

A situação está difícil é para a oposição que está longe de conseguir os votos para o impeachment na Câmara, sendo que ainda precisa passar pelo Senado. Além disso, o STF deve ser acionado para dizer se a Presidenta Dilma cometeu crime de responsabilidade ou não.

A tentativa de golpe no Brasil está deixando a imprensa internacional perplexa. O jornalista norte-americano Glenn Greenwald, que junto com Edgar Snowden revelaram ao mundo espionagem do governo dos Estados Unidos em vários países, inclusive no Brasil, disse estar chocado com a imprensa brasileira.

Está em destaque no mundo o fato de o golpe ser uma articulação entre setores do Judiciário com a mídia e o Congresso Nacional, sem que a Presidenta Dilma tenha cometido nenhum crime de responsabilidade nem exista contra ela nenhuma acusação de envolvimento com corrupção, como afirma o New York Times.

E mais, está em destaque também o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, réu no STF, por crime de corrupção, prestes a ter o mandato cassado, ao mesmo tempo, no comando, junto com o vice-presidente Michel Temer, da tentativa de derrubada da Presidenta Dilma.

A imprensa brasileira virou notícia no noticiário internacional, nos últimos meses, por apoiar abertamente a estratégia da oposição para o golpe, com uma narrativa manipulada, tão sofisticada que conseguiu instalar o ódio nas pessoas, jogar parte da população contra o governo e levar às ruas centenas de milhares de pessoas para pedir o impeachment da Presidenta Dilma.

Porém, o golpe está perdendo apoio de uma parcela das pessoas que foi às ruas, de boa fé, lutar contra a corrupção, e agora vê o golpe sendo comandado por Eduardo Cunha, o político mais odiado do Brasil, em pareceria com o vice Michel Temer, um conspirador.

Na movimentação de Temer e Cunha em Brasília, na busca de votos para a aprovação do impeatchment, surgiram rumores de que os dois articulam, por detrás das cortinas, um acordão para por fim às investigações e à Operação Lava Jato, tendo em vista o elevado número de deputados e senadores denunciados.

Cunha escolheu domingo, às 14 horas, para iniciar a sessão destinada a votar o impeatchment ou não da Presidenta Dilma, a fim de promover um grande espetáculo midiático e constranger os parlamentares.

Cunha chamará cada um dos parlamentares diante de todas as câmeras e microfones dos meios de comunicação.

Fico a imaginar as pessoas, no aconchego do seu lar, vendo um réu de alta periculosidade presidindo a sessão, chamando cada um dos 513 parlamentares a anunciar o seu voto. As pessoas de bom senso perceberão que há algo de errado.

Por essas e outras, cresce, na parcela da população que foi às ruas, a erosão do apoio ao golpe

Por isso Cunha e Temer têm pressa.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247