O neo liberê de Temer

Enquanto o mundo inteiro reconhece a falência da invenção econômica de Thatcher, o neoliberê de Temer, numa versão bem mais perversa, achou pouco empobrecer os trabalhadores brasileiros e e retirar comida da mesa dos pobres, seguiu cumprindo à risca as imposições neoliberais dos patrocinadores do golpe: Jogou no balcão de negócios aeroportos, 57 empresas brasileiras e negociou o petróleo do pré-sal

Presidente Michel Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília 12/07/2017 REUTERS/Adriano Machado
Presidente Michel Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília 12/07/2017 REUTERS/Adriano Machado (Foto: Sebastião Costa)

Quem deu o pontapé inicial no neoliberalismo foi o pé de ferro da dama inglesa. O ator americano interpretou a jogada, matou no peito e bateu de primeira. Golaço para o time dos milionários do mundo inteiro.

No outro time, a pobreza cavalgando pela Europa, as desigualdades sociais galopando entre os americanos e na América Latina a miserabilidade montada num puro sangue

De tanto espalhar maldades pelo mundo afora, o próprio organizador do último Forum Econômico Mundial, palco e vitrine do neoliberalismo, reconheceu a perversidade do modelo e passou a falar em "uma nova agenda de crescimento e desenvolvimento"; e que é necessário "padrões medianos de vida –isto é, o povo – no centro das estratégias nacionais de desenvolvimento e da integração econômica internacional"

Oxente, foi o que o lulismo andou fazendo aqui pelo Brasil. Com mais dinheiro no bolso dos mínimos assalariados e grana na bolsa vazia dos familiares e lá se foi a galera a subir batentes da base para o meio da pirâmide. De tanta gente que saiu lá de baixou, terminou desconfigurando o desenho da pirâmide. A pirâmide deixou de ser pirâmide

Mas aí chegou o neoliberê de Temer e danou-se a saquear as bolsas familiares, e assaltar o bolso dos mínimos assalariados.

Recomposta a pirâmide, a fome, feito uma fênix social, ressurgiu com toda força no mapa mundial da ONU

Pausa para falar da voracidade do golpe no Brasil que, como convém a qualquer movimento golpista, traz sempre embutido um projeto de longo prazo. Os protagonistas políticos apenas cumprem ordens emanadas pelos estrategistas aboletados no conforto da Casa-Grande. As reformas trabalhistas e previdenciárias estão naturalmente inseridas nesse contexto

Enquanto o mundo inteiro reconhece a falência da invenção econômica de Thatcher, o neoliberê de Temer, numa versão bem mais perversa, achou pouco empobrecer os trabalhadores brasileiros e e retirar comida da mesa dos pobres, seguiu cumprindo à risca as imposições neoliberais dos patrocinadores do golpe: Jogou no balcão de negócios aeroportos, 57 empresas brasileiras e negociou o petróleo do pre-sal.

Vai arrancar um pedaço da Amazônia e pasmem, vender a Eletrobras e a própria Casa da Moeda. Ao capital estrangeiro!

Praticou toda essa violência sem ter um único voto, sem consultar um único trabalhador brasileiro. Até porque, nem precisa!
Já dispõe do apoio interesseiro da burguesia nacional e da torcida organizada da imprensa (direita volver ) tradicional

Pois é, golpe é assim mesmo, só serve pra enricar os ricos, empobrecer os pobres, 'milionarizar' os milionários, e 'miserabilizar' os miseráveis.

De quebra, ainda violenta a democracia. 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247