O novo mercado do vegetal. Da carne bovina ao bacalhau, tudo de planta

A sensação do momento são as chamadas “carnes vegetais”, nicho no qual a indústria está investindo pesado

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Esqueça a velha “carne” de soja, estrela dos restaurantes naturebas da década de 1970. Ela ainda existe, é claro, bem como outras alternativas vegetais que substituem as carnes, como a jaca. 

Já contei aqui neste espaço a minha experiência de ter saboreado um delicioso estrogonofe de jaca, feito minha amiga Rosa Geszti. 

De olho no mercado

Mas como a indústria alimentícia não dorme no ponto, a parada agora é outra. De olho no promissor mercado vegetariano (e vegano) a indústria já está exibindo nas gôndolas dos supermercados coisas do tipo maionese Hellman’s Vegana (Unilever), Leite Ninho de Origem Vegetal (Nestlé), leite (na realidade, bebida vegetal) da Vigor e da Ades (Coca-Cola), bacalhau vegetal da Seara (JBS), burger vegetal da Sadia (BRF). E no fast-food, hamburguer vegetal da Burger King. E vai por aí.

No Brasil, cresce o número de pessoas que se declaram adeptas do vegetarianismo. Pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência, em abril de 2018, para a Sociedade Vegetariana Brasileira, mostrou que 14% da população se declarou vegetariana. “Isso representa quase 30 milhões de brasileiros que se declaram adeptos a esta opção alimentar”, disse o Ibope na época.

Em 2012, os que se declararam vegetarianos eram 12% da população, um crescimento de 6% em seis anos, ou seja, 1% ao ano.

Além disso, a pesquisa mostrou que 60% dos entrevistados consumiria mais produtos vegetarianos se eles tivessem o mesmo preço dos produtos que estavam acostumados a consumir.

A indústria resolveu bater de frente com o, digamos assim, mercado alternativo vegetal, campo de atuação de pequenas empresas, principalmente. 

No setor de “leite” vegetal, por exemplo, a empresa cearense A Tal da Castanha já está presente no mercado, com os seus leites de castanhas de caju, amêndoas e castanha-do-Pará, e amendoim (são, ao todo, sete sabores) há cinco anos. Nas fórmulas, apenas água e a castanha orgânica.

Carne vegetal, a estrela do momento

Mas a sensação do momento são as chamadas “carnes vegetais”, nicho no qual a indústria está investindo pesado.

A JBS, maior produtor de proteína animal do mundo, lançou a linha Seara Incrível, “100% vegetal, sabor e textura de carne”, segundo a empresa: bacalhau, isca de peixe, almôndega, pernil desfiado, salsicha, escondidinho, empanado, burger e quibe.

Embora os ingredientes usados nos sejam familiares (o “bacalhau”, por exemplo, é feito com cebola, grão-de-bico, proteína de soja, azeitona, pimentão amarelo, pimentão verde, azeite, polpa de tomate, tomate, sal, alho, amido modificado, salsa, pimenta vermelha, ferro, vitamina B12, aroma idêntico ao natural e aroma natural), o resultado final é produto de um laboratório e da Biomolécula i “uma descoberta inovadora do Incrível.Lab Seara, responsável por criar um sabor delicioso e inconfundível. Por meio de estudos científicos do nosso núcleo de especialistas em aroma, textura e paladar, descobrimos que a Biomolécula i é capaz de reproduzir a suculência das melhores carnes em alimentos produzidos 100% com proteína vegetal’, diz a empresa em seu site. O segredo do negócio está em investir no sabor.

A Sadia lançou o seu Burger de Vegetais, feito a partir das proteínas de trigo e de soja. É feito com óleo de coco, óleo de girassol, cebola, beterraba, fibra de batata, ervas e especiarias, sal, alho, tomate, extrato de malte de cevada, e coisas como maltodextrina, ortofosfato férrico (ferro), vitamina b12, aromatizantes: aromas naturais e aromas idênticos aos naturais.

Em setembro, a Burger King lançou no Brasil o Rebel Whopper, o seu hambúrguer vegetal, feito a partir da proteína de soja, óleo de girassol e coco, proteína de batata e a proteína do heme (molécula que transporta o oxigênio no sangue e que é “’o grande segredo da aparência e sabor semelhante ao da carne bovina”), e desenvolvido em parceria com a Marfrig, uma das líderes globais em carne bovina e a maior produtora de hambúrguer de origem animal do mundo. Tem gosto de hambúrguer, textura de hambúrguer, cheiro de hambúrguer, mas é feito de vegetais.

Um detalhe interessante surgiu numa pesquisa global realizada pela empresa, em que foi perguntado qual a probabilidade do entrevistado comer um hambúrguer vegetal: o Brasil ficou em primeiro lugar como o país onde mais pessoas (69%) responderam que seria “provável” ou “muito provável”. Em segundo lugar ficou a China (41%).

Outros produtos

Na maionese Hellmann’s Vegana, o ovo, ingrediente fundamental da fórmula original, é retirado da receita, ficando em seu lugar o “amido modificado”, também presente na receita tradicional.

A base do Leite Ninho Origem Vegetal é a aveia, mas também entram maçã e banana.

A bebida da Vigor tem três ingredientes básicos: amêndoas, arroz e coco.

A Ades, empresa argentina comprada pela Coca-Cola, produz sua bebida vegetal a partir da soja; são vários sabores, incluindo amêndoas e coco.

Importante salientar que, embora esteja sob o rótulo do vegetal, dando a entender que se trata de alimento natural, a maioria dos produtos é ultraprocessada.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email