O pacto entre nós, mulheres, para sobrevivermos

A proliferação de feminicídios, somado ao País de goiabeiras e "mulheres precisam de flores", como o governo fascista esbraveja por ai, deixa claro que as coisas não estão fáceis para nós; morremos, sofremos estupros e todos os tipos abusos, todos os dias; por isso, nunca foi tão importante mantermos nossa saúde mental e união; repito: nenhuma mana larga da mão da outra; vivemos tempos bicudos 

O pacto entre nós, mulheres, para sobrevivermos
O pacto entre nós, mulheres, para sobrevivermos (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Eu acho muito interessante esses códigos entre nós, mulheres.

Caminhava por uma rua não muito movimentada e mal iluminada. Durante esse trecho, uma moça juntou ao meu caminhar, passos largos. Ficamos uns bons minutos lado a lado. Um "me protege que eu te protejo" velado.

Passado o trecho escuro, cada uma foi para o seu lado.

E assim sobrevivemos a esse Brasil do cão de estupros e abusos diários. Juntas.

E, pelo visto, nunca foi tão importante mantermos nossa saúde mental e união. Num país de goiabeiras e "mulheres precisam de flores", como o governo fascista esbraveja por ai, as coisas não estão fáceis para nós. 

É só ver o noticiário. Quantas de nós morremos, todos os dias, com os requintes de crueldade mais insanos. 

Ontem mesmo, vendo TV, deparei-me com uma cena dantesca: A reportagem relatou vizinhos desesperados ligando para polícia. O motivo? o vizinho estava matando sua esposa. Ela, aos gritos, pedia ajuda. 

A polícia foi acionada à 1 hora da madrugada e chegou ao local apenas às 2h20.  Eduarda Alves, 24 anos, já estava morta. 

O mais bizarro dessa situação toda foi a fala do tenente-coronel da Polícia Militar Manoel Jorge dos Santos Neto.  “Se o marido mata a esposa, infelizmente é uma questão familiar”.

A querida Maria do Rosário expôs sua revolta no Twitter: 

“Se o marido mata a esposa, infelizmente é uma questão familiar”. Afirma autoridade do governo do Paraná justificando a demora em atender denúncia de vizinhos de q mulher estaria sendo morta! 8 ligações foram feitas! O nome dela era DANIELA e deixa uma filha. Incompetentes". 

Repito: nenhuma mana larga da mão da outra. Vivemos tempos bicudos. 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

O fraco contra o mais fraco

A classe média proletária tenta ficar grudada nos opressores, os que controlam o processo econômico e político, reproduzindo e estendendo o preconceito de classe. Essa observação fica exposta e...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247