O que leem os Bolsonaros?

Com linguagem rasa e comportamento anacrônico, os Bolsonaros são adolescentes desencantados com tudo e com todos e orgulhosos disso. Odeiam o que não compreendem, e mais ainda o que os ameaça

(Foto: Antonio Cruz - ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Como no livro do norte-americano JD Salinger, O apanhador no campo de centeio, de 1951, que ainda segue espelhando uma grande parte de adolescentes que não conseguem se adaptar ou se encaixar no sistema, o clã Bolsonaro, pai e filhos, vivem suas arruaças e lutas internas para ingressarem no mundo da maturidade.

Com linguagem rasa e comportamento anacrônico, os Bolsonaros são adolescentes desencantados com tudo e com todos e orgulhosos disso. Odeiam o que não compreendem, e mais ainda o que os ameaça. Os ‘meninos’ do clã são misantropos, não conseguem um relacionamento saudável fora do ninho, não estabelecem normalidade entre a representatividade de seus cargos e a sociedade.

A percepção de não pertencerem a um lugar permite que sejam desagradáveis e inoportunos em todos eles. Sair da adolescência traz sofrimento e responsabilidade, então é vital que ela seja estendida por mais um período, quem sabe vitalício enquanto dure. “Adorável, essa é uma palavra que eu não suporto. Soa tão falsa que eu sinto vontade de vomitar toda vez que a ouço” – disse Holden Caulfield, personagem principal do livro.

Posso estar enganado, mas mesmo com o viés autoritário, não acredito na ação efetiva de Carlos falando em ditadura, não acredito que isso se concretize. A tentativa de um regime totalitarista sofreria resistência de toda a sociedade. A narrativa neofacista do clã só ecoa entre internautas solitários, adolescentes desconfortáveis com o mundo e nos grupos supremacistas e misóginos. O resto é milícia!

Talvez nenhum Bolsonaro tenha lido o livro que ficou marcado como a leitura preferida dos psicopatas. Entre a lista de crimes cometidos à sombra do romance, está o de Mark Chapman na noite de 8 de dezembro de 1980.  Chapman, que havia passado todo o dia na porta do Edifício Dakota - Nova Iorque - onde moravam John Lennon e Yoko Ono, assassinou o ex-Beatle, de quem era fã obcecado, com um revólver calibre 38. Horas antes Lennon autografara para Chapman uma cópia de seu recém lançado álbum Double Fantasy.

Chapman acreditava que, assassinando Lennon, ele o salvaria das perturbações do mundo e que, assim, sua inocência sobreviveria. Depois de cometer o assassinato Chapman leu O apanhador no campo de centeio até a polícia chegar; no livro ele escreveu “minha confissão” e assinou como Holden Caulfield, o personagem que acreditava que “Tudo que você tem que fazer é dizer algo que ninguém entende e eles vão fazer praticamente qualquer coisa que você queira”. Essa afirmação deve circular no meio bolsonarista como um mantra.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247