O silêncio das panelas

E no êxtase da euforia inebriante, não perceberam que os muitos gritos, panelas e buzinas estavam comemorando a queda de uma presidente sem crime de responsabilidade; passado o carnaval golpista, veio a ressaca da quarta-feira de cinzas, montada numa realidade corruptiva, entranhada nas profundezas de um governo com rumo e diretrizes estabelecidos por interesses

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Em todos os tempos, sempre que se pretendeu avaliar o desempenho de qualquer governo, de qualquer país, foi naturalmente inevitável se falar na evolução da economia, no perfil da política externa, e essencialmente no continente latino americano, na performance das políticas sociais. 

Mas, no Brasil atual, os cidadãos que bateram muita panela foram induzidos/conduzidos a enxergar durante alguns anos só e somente só, as questões éticas. De repente todo o noticiário político da imprensa tupiniquim concentrou todos os holofotes nos delitos e desvios éticos, promovendo intolerância e sentimentos de rancor e ódio, que anestesiaram sensibilidade social, trucidaram senso de justiça, extirparam.a consciência democrática de muitos brasileiros

De mãos dadas, intolerância e sentimentos tangeram muitos brasileiros inteligentes para as ruas, convictos que estavam gritando pela ética na política. Das sacadas dos apartamentos chiques, o barulho revoltado das panelas, na consciência de que estavam erradicando a corrupção no país.

E no êxtase da euforia inebriante, não perceberam que os muitos gritos, panelas e buzinas estavam comemorando a queda de uma presidente sem crime de responsabilidade.

Passado o carnaval golpista, veio a ressaca da quarta-feira de cinzas, montada numa realidade corruptiva, entranhada nas profundezas de um governo com rumo e diretrizes estabelecidos por interesses, sem qualquer harmonia com as ansiedades e necessidades do povo brasileiro.

Embriagados pelo oba-oba do fervor cívico, os paneleiros nunca se incomodaram com as arbitrariedades criminosas do super-juiz, muito menos com as tendenciosidades sem rédeas do procurador-Geral, que investiga vazamentos só de um lado, configurando, sem qualquer inibição, a miopia seletiva da justiça. Não sentiram sequer o odor fétido exalado das delações odebrechtianas, que expuseram os porões infectos de um governo que já nasceu corrupto.

Recentemente, em pronunciamento conjunto com o presidente do Senado, Renan Calheiros e da Câmara federal, Rodrigo Maia, o presidente MT falou com insistência em medidas de combate à corrupção. Os dois parlamentares, como se sabe, carregam nas costas graves denúncias de desvios éticos e o presidente, além de constar nos esgotos da Odebrecht., é auxiliado pelos ministros, “Velhinho” e “Angorá” e apoiado pelos partidos de“Gripado", "Caju" e "Mineirinho".

A grande curiosidade é que, durante todo o pronunciamento, em pleno domingo, não se enxergou nas ruas brasileiras um único resíduo daquele fervor cívico, nem se ouviu um mísero tilintar de panelas.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247