O Teatro dos Horrores



Durante as últimas semanas, a triste e adoecida nação acompanha a novela: “Vai liberar total ou parcial?” “Já liberou?” “Será que libera?” Enquanto o país aguarda a decisão do decano e agora apaixonado, ministro do Supremo Tribunal Federal, quem se refestela em terras brasileiras são os Coronas; o vírus, até ontem tínhamos no país 29.314  mortes; e o empresário da rede  de academias de ginástica, limpinha e cheirosa, que financia as fakenews. A população assombrada pela doença enterra seus entes queridos que estão sendo dizimados pelo descaso e sadismo de um governo de indiferentes. A meta do então deputado Bolsonaro e agora presidente ilegítimo do país, “matar uns 30.000”, está perto de ser cumprida. 

A esperança dos seres pensantes era de que a veiculação da reunião ministerial, guardada a sete chaves pelo projeto mal desenhado de ditador, fosse autorizada para o conhecimento de todos os brasileiros e caísse como uma bomba por essas terras. E assim foi feito. O ministro arrebatado abre as cortinas do Teatro de horrores e constatamos, sem surpresa, que as personagens desse enredo, são piores, bem piores do que o mais imoral dos homens. 

Cena 1

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No palco, o rosário de palavrões dito pelo então presidente não só confirmou o que já sabíamos, o nível rastaquera do chefe da nação e da milícia; o que dos males, foi o menor, acredite. O pior ainda está por vir na cena seguinte. O critério básico para fazer parte do cenário ministerial é o fato de que eles devem fazer oposição à pasta que representam. Assim, o ministro do meio ambiente defende que: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

_O governo deveria aproveitar a pandemia, passar a boiada e mudar regras ambientais!

Isto é, facilitar o lado dos latifundiários em detrimento aos verdadeiros donos da terra, os indígenas. O ministro da (des) educação, no ímpeto de bajular mais o presidente do que o seu antecessor, desembesta: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

_Botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF"!  Odeio  os termos “povos indígenas” e “povo cigano”. (Desenhando, odeia as minorias).  

Cena 2

(Os ministros sanguessugas reunidos, sentados, admiram a verve escatológica do seu chefe).  O sacripanta da economia resmoneia:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

_O Banco do Brasil é um caso pronto de privatização. É um caso pronto e a gente não tá dando esse passo. O senhor já notou que o BNDES  e a Caixa, que são nossos, públicos, a gente faz o que a gente quer. Banco do Brasil, a gente não consegue fazer nada e tem um liberal lá. Então, tem que vender essa porra logo”! (Ou seja, vender o patrimônio do povo brasileiro).

O ministro da justiça, antes irmão xifópago do presidente, conforme dito por sua “conja”, fala mais fino do que o normal e encontra-se aprisionado à sua pequenez, sob o olhar gélido e odioso do seu capitão; enquanto a ministra da goiabeira, da família e dos direitos humanos, histrionicamente, conclama pela prisão de prefeitos e governadores que estão fazendo um papel mais honroso do que o governo federal diante da pandemia. 

O ministro relâmpago da saúde fala o de praxe e ouve, boquiaberto, as apresentações dos outros personagens. Pensa: _Onde eu vim parar? (Assistindo a tudo, como personagem para lá de secundário, encontra-se o milico vice-presidente do Brasil, alheio aos movimentos e aos discursos, vez por outra levantava os olhos, com um meio sorriso no rosto, parece se divertir com o seu aparelho celular).

Com o encerramento do espetáculo, a plateia canarinho atônita, começa um novo questionamento:

_Ele cai? Não cai? 

(Fecham-se as cortinas e renovam-se as esperanças)

Fim

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email