“Os obedientes cegos e mudos: não são surdos”

"Não vamos esperar pela morte do nosso povo tão sofrido...para nos libertarmos das amarras de séculos de opressão transcendental, façamos jus às boas novas"

www.brasil247.com -
(Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | REUTERS/Ueslei Marcelino)
Siga o Brasil 247 no Google News

“O período que vai do ano 1000 até 1800 corresponde à transição do feudalismo para o capitalismo. Nesse período, a sociedade europeia feudal – rural, fragmentada no nível nacional, unida pela religião e marcada pelos vínculos de vassalagem – transformou-se em outra completamente distinta, a sociedade capitalista. Nesta, o importante era a vida urbana, influenciada pelas transações comerciais e fundada nas relações de trabalho assalariado”.

Arrastamos correntes desde aí, nós, os colonizados. Há um sistema político que contém a baixa e alta política. A política de segurança deles (egoístas) e uma outra que pensa no comércio, 

Nesta era moderna, a política internacional vem arrastando suas três correntes paradigmáticas: Realismo, Pluralismo e Globalismo. Equilibrando o poder, com dependência e tomada de decisões. O comando está centrado nas mãos de quem melhor preside (com punhos neoliberais, a nova pangeia) que agora é digital. E é óbvio que existe a subserviência como utilidade.

PUBLICIDADE

Meio ambiente, conflitos humanos, guerras religiosas, renascimento, obscurantismo, desigualdades, capitalismo, tudo isso localiza-se sob os escombros das guerras e pandemias que secularmente dominam o panorama internacional: como chibata/controle.

Sempre uma gênese, um histórico, uma linha do tempo para servir de palco ao desenrolar dos fatos sociais. E sempre com parcela da humanidade que é servil. A cegueira e a mudez milenar de esta casta é (indubitavelmente) engendrada. Porém, quem tem ouvidos que ouça. 

O trecho abaixo demonstra o quanto o termo hegemonia se aplica ao cenário mundial de competição pelo poder dominante, que faz do planeta uma aldeia global onde o homem é lobo do homem: “A maioria das regiões do mundo, nomeadamente o Médio Oriente, a Ásia Central, o Extremo Oriente e África, vivem numa situação de anarquia internacional, caracterizada por constantes lutas pelo poder, onde o uso da força militar constitui permanentemente uma hipótese real. Ou seja, a “paz kantiana” que define a política europeia é uma exceção e não a regra”. 

PUBLICIDADE

O trecho de notícia abaixo, demostra isso no presente brasileiro: “O presidente afirmou que o país será palco de uma "rebelião" e que haverá um cenário de "caos" caso governadores e prefeitos decretem lockdown, ou seja, suspensão total das atividades sociais e econômicas. Além de criticar os chefes do Executivo nos estados e municípios, Bolsonaro voltou a dizer que não vai se vacinar contra a Covid-19”. Que haja um novo juiz Sansão para fazer ruir as paredes desse Templo de Dagon à brasileira.

Vivemos sob égide pandêmica, com variantes, e cepas constantes. Tal arma é fatal e compromete a vida de pessoas. A insegurança é plena, resvala historicamente na trajetória humana, que por si só, já se constitui em um “ensaio”. O pior vírus, o mais tétrico: é a maldita  desigualdade, que gera patologias das mais variadas, inclusive a “loucura”. Até quando ficaremos cegos e mudos? A palavra de Deus nos revela em Lucas 8:13: “Os que estão sobre a pedra são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria quando a ouvem; mas não tem raiz...”. A pedra dura da escravidão.

Sansão, herói bíblico, teve seus olhos furados; e “silente” (por conveniência) girava moinhos; este foi seu castigo, após ser capturado, por um dos povos hegemônicos daquela antiga época: os filisteus. “Mudo” e cego, ele ainda podia ouvir, e soube esperar pelo momento da libertação; fora dotado de força descomunal, e quando viu a chance certa: empurrou as pilastras do templo, e foi vitorioso conquistando sua liberdade. Mesmo tendo fenecido.

PUBLICIDADE

Não vamos esperar pela morte do nosso povo tão sofrido...para nos libertarmos das amarras de séculos de opressão transcendental, façamos jus às boas novas, e que Oxalá a pesquisa grifada à seguir seja transformada em realidade : “A pesquisa encomendada pela Genial Investimentos revela que, se as eleições fossem hoje, o ex-presidente Lula (PT) teria chances de vencer no primeiro turno. Registrado na Justiça Eleitoral e realizado entre os dias seis e nove de janeiro, o levantamento mostra o petista com 45% da preferência do eleitorado, quatro pontos percentuais a mais do que a soma das intenções de voto dos demais concorrentes à Presidência. A margem de erro é de dois pontos percentuais”

#ValReiterjornalismohistórico

#Lulanapresidência

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email