Ouvimos…

Frente ao aumento da fila por uma vaga na UTI, fruto do colapso do sistema de saúde, que se soma ao colapso do serviço funerário, diante de tantas lágrimas que não conseguimos mais consolar, concluímos: temos de deter esse governo, não apenas o governante, mas, todo o sistema, a chapa tem de ser cassada e novas eleições gerais têm de ser convocadas

Siga o Brasil 247 no Google News

Depois de 4200 mortes num dia, o que ouvimos é que o Congresso Nacional prepara uma projeto de lei que permitirá a compra de vacinas pela iniciativa privada, que não terá de doá-las ao SUS, permitindo que os ricos furem a fila da vacinação que, embora, seja injetável, continuará chegando, aos empobrecidos, em conta-gotas.

Diante do crescente número de mortes, que passou das 4000 por dia, um ministro de STF, em nome de garantir o direito de culto, que nunca esteve ameaçado, libera reuniões religiosas que só farão aumentar o montante das mortes, medida, portanto, que só colabora com a disseminação da pandemia.

Enquanto a morte avança sobre a população mais pobre, feminina e negra, ouvimos que um sujeito que se julgava o “enfant terrible” da esquerda se bandeia, descaradamente, para a direita, com a mesma desfaçatez com que foi para Paris no segundo turno das eleições de 2018, e assina um manifesto com os candidatos da Casa Grande, revelando o que alguns de nós sempre desconfiamos. 

PUBLICIDADE

Enquanto a praga se espalha na nova Senzala resultante da nova relação de trabalho, com a perda dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras e a "uberização" do trabalho, ouvimos que nossas esperanças à esquerda parecem estar abertas para negociar com os filhos dos antigos senhores de escravizados, considerando haver a possibilidade de aceitar a lógica da privatização “moderada” dos ativos nacionais, como se ainda os tivéssemos.

À medida que a fome campeia nossos arraiais, e mais de 100 milhões de brasileiras e brasileiros já padecem de cada vez maior dificuldade de conseguir comida, (pesquisa em dezembro de 2020 - Rede Penssan) e o PIB despenca por erros grosseiros na condução da politica econômica, e o desemprego se multiplica, ouvimos que houve um aumento considerável no patrimônio dos mais ricos, que o Brasil é o paraíso fiscal dos milionários. E que a devastação de nossos biomas continua a avançar celeremente, e os povos originários estão sob ameaça de intensidade jamais vist

PUBLICIDADE

E a voz do feitor ecoa: “vão trabalhar, vão trabalhar!”

Frente ao aumento da fila por uma vaga na UTI, fruto do colapso do sistema de saúde, que se soma ao colapso do serviço funerário, diante de tantas lágrimas que não conseguimos mais consolar, concluímos: temos de deter esse governo, não apenas o governante, mas, todo o sistema, a chapa tem de ser cassada e novas eleições gerais têm de ser convocadas; se esperarmos as eleições regulares, provavelmente, não haverá mais o que possa ser salvo.

PUBLICIDADE

Disse o salmista: “Elevo os meus olhos para os montes, de onde me virá o socorro?” Teremos de tomar a serra mestra?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email