Pandemia de pobre, pandemia de rico

O sofrimento extraordinário provocado pelo coronavírus na parte da população já sofredora deixará um legado psicológico dificilmente superável

www.brasil247.com -
(Foto: © Tomaz Silva/Agência Brasil)


O Brasil de Jair Bolsonaro é assunto para psicanalista, e Luciano Elia, professor titular de psicanálise da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, é um profissional do ramo mais que qualificado para tratar do tema. Ele levanta um ponto praticamente ignorado nos debates sobre a Covid-19: faltou, entre tanta coisa, recorrer à consciência política para combater a pandemia.

“O necessário isolamento social não foi entendido como um ato político. Faltou consciência coletiva”, afirma Elia. O que isso quer dizer? Claro está: as pessoas que cumpriram os protocolos sanitários o fizeram em esforço pela própria vida, não como ato de engajamento em benefício da coletividade.

A triste realidade decorrente da praga mostrou-se, como quase tudo, ainda mais triste para a população menos favorecida – outro fato abordado de forma tangencial nas discussões pandêmicas. “Foi muito difícil para os mais pobres, quando não impossível, trabalhar, alimentar-se e tudo mais mantendo distanciamento social. Ainda mais grave, um verdadeiro sofrimento, seriam as aulas on-line para os alunos pobres das escolas públicas”, observa Elia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O sofrimento extraordinário provocado pelo coronavírus na parte da população já sofredora deixará um legado psicológico dificilmente superável. “Os fatores socioeconômicos vão determinar o futuro”, sentencia o psicanalista. A parte abastada – que teve de se adaptar ao estressante home office ou precisou recorrer a algum refúgio campestre para não se contaminar – pode fazer uma viagem para “descansar” do duro trauma do isolamento e da escassez de abraços e beijinhos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ônus psicológico da pandemia não tem data para sair da mente de ninguém, mas para alguns será mais doloroso. Lei da vida? Não. O Poder Público tem obrigação de cuidar da saúde mental com o mesmo interesse com que lida com doenças de outras naturezas (ou deveria lidar).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As equipes de saúde mental das unidades básicas de atendimento precisam ser incrementadas em resposta à crescente demanda devido a problemas psicológicos – é o mínimo que se espera.  Não é à toa que a pesquisa da Unifesp “Desigualdades e Vulnerabilidades na Pandemia de Covid-19”, coordenada pela psicóloga Lumena Furtado, dedica uma seção exclusiva a questões de saúde mental durante o período pandêmico.

Trabalho cuidadoso, detalhado, exibe um quadro de tragédia social que não foi criado pela pandemia, mas foi - e está – sendo agravado por ela. Eis um trecho do estudo, que resume o cenário em tela: “Foi observado que a vivência da pandemia de Covid-19 é mais que um problema de saúde pública. Deflagra também uma crise social que se manifestou nas condições de trabalho e renda, de moradia, de convivência e de saúde mental das pessoas. O adoecimento mental da população tem uma forte referência à complexidade dos problemas sociais, agravados pela ausência e a negligência do Poder Público. As pessoas precisam resolver seus problemas no conhecido ‘é nós por nós’. Um despejo violento em Diadema, sem a oferta de alternativas de moradia, é um exemplo do descuido do Poder Público, aumentando a vivência de medos e ansiedades”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email