Paradoxos do PMDB

"Em 2016, o peemedebismo patrocina e é diretamente beneficiário de um golpe travestido de legalidade. Se conquistada a presidência, ao invés de ajudar ao avanço social, o programa empunhado significará um profundo retrocesso. Retrocesso este que significará rasgar a Constituição de 1988 em seus belos direitos sociais, cujos mecanismos de materialização, paradoxalmente, o PMDB votou a favor, desde 2003, no Congresso Nacional", diz o colunista Leopoldo Vieira; "Tudo pela ambição de liderar uma nova hegemonia, cuja base social fundamental terá que ser a extrema-direita, exterminando o centro democrático"

Brasília- DF 01-07-2015- Vice-Presidente Michel Temer, Eduarado Cunha, Renan Calheiros, Presidente do PT, Rui Falcão durante posse da presidente do PCdoB, Luciana Santos. Foto: Lula Marques/ Agência PT
Brasília- DF 01-07-2015- Vice-Presidente Michel Temer, Eduarado Cunha, Renan Calheiros, Presidente do PT, Rui Falcão durante posse da presidente do PCdoB, Luciana Santos. Foto: Lula Marques/ Agência PT (Foto: Leopoldo Vieira)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O PMDB sempre desejou ardentemente a presidência da República. Paradoxalmente, para se unificar, sempre lançou mão da ideia de uma candidatura própria, o que jamais se confirmava. Era apenas um elixir da unidade interna.

Portanto, quando se ouvia "teremos candidato a presidente na próxima eleição", anotava-se "faremos aliança com o virtual ganhador". Isso, como consequência, fazia o PMDB ser uma espécie de estabilizador institucional.

Não à toa, o partido sempre pôde dizer que ajudou para o avanço social. Tanto na conquista da moeda forte quanto na inclusão e distribuição de renda. FHC e Lula/Dilma, respectivamente.

O partido, assim, se tornou o centro democrático do País.

Em 2016, o PMDB viu a impopularidade de Dilma como uma oportunidade para converter em real o que sempre fora um diversionismo: conquistar a presidência da República.

Paradoxalmente, neste caminho, o elixir que o unificava o dividiu e, ao invés de estabilizar a institucionalidade, rachou ainda mais o país e pode lançar-nos na mais grave polarização desde 1964.

Em 64 foi dado um golpe de estado travestido de legalidade, cujo regime oriundo foi o peemedebismo essencial para derrubar.

Decorrente disso, foi o protagonista da Constituição Cidadã de 1988 e seus belos direitos sociais.

Em 2016, o peemedebismo patrocina e é diretamente beneficiário de um golpe travestido de legalidade.

Se conquistada a presidência, ao invés de ajudar ao avanço social, o programa empunhado significará um profundo retrocesso.
Retrocesso este que significará rasgar a Constituição de 1988 em seus belos direitos sociais, cujos mecanismos de materialização, paradoxalmente, o PMDB votou a favor, desde 2003, no Congresso Nacional.

Tudo pela ambição de liderar uma nova hegemonia, cuja base social fundamental terá que ser a extrema-direita, exterminando o centro democrático.

Paradoxalmente.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email