Páscoa do silêncio e do fosso

"O fundo do poço parece não ter fim. O ovo desta Páscoa, infelizmente, é o da Serpente", diz o colunista Ricardo Cappelli; "A construção de uma Frente Ampla Antifascista em torno da nação e dos valores democráticos é um imperativo histórico. Precisamos unir forças para jogar luz na escuridão, antes que seja tarde"

Páscoa do silêncio e do fosso
Páscoa do silêncio e do fosso (Foto: Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Um padre é hostilizado e chamado de filho da puta no meio da missa por dois homens no Rio. Cometeu o “desatino” de dizer que Marielle, assim como Jesus, foi assassinada precocemente, mas que a luta dos que tentam melhorar a sociedade continua e dá frutos.

Uma desembargadora calunia a memória da vítima e defende a execução “num paredão profilático” de um deputado federal.

Lembrando cenas deploráveis do passado, um homem chicoteia o outro em praça pública.

A caravana de um ex-presidente é recebida por extremistas com pedradas, ovos e tiros.

Na Primeira Grande Guerra, quando a “humanidade enlouqueceu”, morreram 9 milhões de soldados e mais de 5 milhões de civis. No dia 24 de dezembro de 1914, primeiro natal desde o início do combate, em algumas zonas de guerra os soldados, espontaneamente, suspenderam os tiros.

Segundo o historiador inglês Martin Gilbert, ingleses e alemães, em alguns pontos, aproximaram-se na noite natalina, trocaram lembranças e até pudim. No dia seguinte voltaram a trocar tiros. A humanidade permanecia dentro deles.

O que leva uma pessoa a comemorar uma execução? Aonde chegamos para que solidariedade e compaixão virassem um palavrão para setores da sociedade? Por que tanto ódio?
Estamos doentes, trocando argumentos por tiros.

Bolsonaro está calado à espreita. Seu silêncio medido e a relativização dos absurdos por grande parte da mídia é um sinal para que o fascismo avance. O fascista está calculando os próximos movimentos. A liderança nas pesquisas com a ausência de Lula recomenda cautela ao capitão.

Se as investigações sobre o assassinato da vereadora carioca chegarem aos culpados, e se não forem policiais, emergirá defendendo a execução dos bandidos. Não duvidem, parte expressiva da sociedade aplaudirá.

A brutal execução aprofundou o fosso e aumentou o diálogo de surdos. Os blocos sociais estão fechados em bolhas. Exclusões e bloqueios dos diferentes nas redes sociais alcançaram seu auge. Estamos num perigoso momento de ódio e cegueira.

Momentos de barbárie e insanidade coletiva costumam produzir desgraças ainda piores. Quando o fosso se abre são as saídas extremadas e irracionais que ganham força.

Hitler era um radical patético desprezado na Alemanha. Caricato, não representava nada e tinha uma expressão eleitoral insignificante. Quanto mais a Alemanha afundava, mais ele crescia. O nazista de bigodinho “jamais chegaria ao poder.”

O ianque topetudo que manipulou espantosos 50 milhões de perfis no facebook para espalhar ódio e medo, também não.

Setores da esquerda deslocam o debate público da agenda econômica para agenda comportamental. O fascista termina seu comício no aeroporto de Curitiba enviando “um beijo para as mulheres e um abraço hétero para os homens.” É ovacionado.

O fundo do poço parece não ter fim. O ovo desta Páscoa, infelizmente, é o da Serpente.

A construção de uma Frente Ampla Antifascista em torno da nação e dos valores democráticos é um imperativo histórico. Precisamos unir forças para jogar luz na escuridão, antes que seja tarde.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247