Pasquim e 247- A força da imprensa alternativa

"O Pasquim de 50 anos atrás revive aqui no 247 e espero que dure não só para fazer história, mas para mudar a História do nosso país", diz Miguel Paiva, do Jornalistas pela Democracia. "Somos um bando de jornalistas competentes, malucos e teimosos que acreditamos num Brasil mais justo e mais feliz", definiu

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Miguel Paiva, para o Jornalistas pela Democracia

Na data de hoje, há exatos 50 anos, a atriz Leila Diniz dava sua famosa entrevista ao semanário Pasquim. Além de toda a repercussão que teve por conta da linguagem descontraída, apesar dos asteriscos nos palavrões, a entrevista selou a importância do Pasquim como jornal inovador e transgressor.

Na data de hoje, há exatos 50 anos, a atriz Leila Diniz dava sua famosa entrevista ao semanário Pasquim. Além de toda a repercussão que teve por conta da linguagem descontraída, apesar dos asteriscos nos palavrões, a entrevista selou a importância do Pasquim como jornal inovador e transgressor.

Alternativa talvez ao pensamento da classe dominante que acaba sendo o pensamento dessa "imprensa de cativeiro" como define muito bem meu parceiro Gustavo Conde. Se não for dele é de alguém que merece os mesmo louros. Na época da ditadura éramos a imprensa nanica, aquela pequena força, resultado da união de poucos e bravos jornalistas românticos e corajosos que viam num jornaleco semanal e de humor, a saída para o cerceamento das notícias e da informação em geral.

Em plena época soturna da ditadura pós AI-5 um jornal se arriscava toda a semana nas bancas. Acabou sendo a voz que faltava para o público leitor ávido de comentários sobre a realidade. O humor, sábio como sempre criava uma nova linguagem para transmitir essas notícias que a imprensa comum não conseguia.

A entrevista com Leila Diniz acabou por consolidar essa linguagem que já era a linguagem do Pasquim. Uma maneira coloquial e descontraída de falar sobre assuntos sérios ou não. O humor, como sempre, aborda os fatos por um viés inesperado, procurando o avesso da realidade, aliado à uma irreverência que vinha muito da intuição. Isso marcou o Pasquim como o representante não só de Ipanema e sua  fauna, como do Brasil inteiro que queria saber das coisas.

O jornal acabou vendendo mais do que sua capacidade de administrar tamanho sucesso. Eram jornalistas e não empresários e os empresários que se associaram acabaram metendo os pés pelas mãos, de modo intencional ou não e o que era muito bom acabou virando um puta abacaxi nas mãos daqueles jornalistas românticos.

Além dessa notória inaptidão para os negócios a ditadura não deixava o jornaleco em paz. Além da censura, a redação sofreu uma "gripe" coletiva nas masmorras de Deodoro que só podia ser noticiada, para justificar a ausência no jornal, como uma doença que acometeu todos ao mesmo tempo. Ninguém entendia o que acontecia e nós, os que não fomos presos e aí incluo Martha Alencar, Millôr Fernandes, Henfil e Chico Junior , tentamos manter o jornal vivo para, inclusive, pagar os salários da turma nobre da redação.

Foram dois meses de esforço sobre-humano para continuar a fazer um jornal dinâmico e engraçado. Todos os jornalistas, artistas, figuras de destaque do Rio e do Brasil colaboraram mas, assim mesmo, foi difícil vender como antes. O faturamento caiu mas o jornal resistiu. Quando foram soltos, a redação estava de pé, as contas em dia ( até quando?) e o país na mesma. Mas o jornal continuou.

Foram dois meses de esforço sobre-humano para continuar a fazer um jornal dinâmico e engraçado. Todos os jornalistas, artistas, figuras de destaque do Rio e do Brasil colaboraram mas, assim mesmo, foi difícil vender como antes. O faturamento caiu mas o jornal resistiu. Quando foram soltos, a redação estava de pé, as contas em dia ( até quando?) e o país na mesma. Mas o jornal continuou.

Somos um bando de jornalistas competentes, malucos e teimosos que acreditamos num Brasil mais justo e mais feliz. Através do Brasil247 faremos prosseguir nosso trabalho de informar, com textos ou charges que carregam toda a nossa força e indignação. O Pasquim de 50 anos atrás revive aqui no 247 e espero que dure não só para fazer história, mas para mudar a História do nosso país.

Quem puder dê um pulo no SESC Ipiranga em São Paulo para ver a exposição Pasquim 50 anos que além de comemorar a data lança a digitalização de todos os números do jornal que estarão à disposição na Biblioteca Nacional.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247