Pedro Guimarães tentou impor na Caixa o programa Meu Emprego Minha Vagina

Mulheres foram conspurcadas pelas mãos imundas desse senhor, que deve ser do tipo que faz xixi e não as lava, porque considera seu pinto ferramenta de trabalho

www.brasil247.com - Pedro Guimarães
Pedro Guimarães (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)


Por Denise Assis, para o 247

Nos últimos dias, o Palácio do Planalto mais se assemelha a uma padaria, de onde saem fornadas de medidas do mais rasteiro populismo, na tentativa de conter a evasão de votos retratada nas pesquisas. A fotografia revelada e emoldurada do desespero ou, se preferirem, o recibo com firma reconhecida da culpa no cartório, para as acusações e evidências trazidas a público sobre os desvios de verba e utilização do MEC para benefício de igrejas e pastores. Os artifícios vão da compra do silêncio e de votos favoráveis via orçamento ilegal, a medidas que irão impactar o PIB, já calculadas em cerca de 1%. 

Para complicar ainda mais, surgiu, no dia em que Bolsonaro tentava escapar da abertura da CPI do MEC, um mega escândalo que influi diretamente o campo feminino do eleitorado, que já deu as costas para ele - 49% desse universo, calculado pelo TSE em 53% –, já externou intenção de voto no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Pedro Guimarães, o presidente da Caixa Econômica Federal, que chegou a ser cogitado para a vaga de vice-presidente na chapa de Bolsonaro, fechou o dia de ontem nas principais notícias, acusado de assédio sexual.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em atitude só comparada a cenas de filmes de ação, Bolsonaro agiu de forma fulminante. Mandou demitir Guimarães. Eficiência? Não. Tentativa barata de conquistar votos da parcela que ele demonstrou desprezar durante todo o seu governo, por pensamento, palavras e obras. Principalmente palavras, dirigidas a deputadas: “não estupro você porque não merece”. Ou a jornalistas: “Cala a boca. Pare de fazer perguntas idiotas”, para a repórter da Folha e “Ela quer dar o furo”, para a jornalista Patrícia Campos Mello”, cujo processo movido contra ele será julgado hoje. E não se espera outro resultado, a não ser o de vitória para ela, humilhada e ameaçada por ele sua base de robôs. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estatísticas sobre o universo do Eleitorado, publicada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dão conta de que 76.534.83 mulheres votaram na última eleição, quase 53% do total de 146.470.880 eleitores no País. Que medo você tem de nós! (Só repetindo Paulo Cesar Pinheiro).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Eram esses os números que estavam no colo do presidente, ao tomar a decisão. Não eram os nomes das cinco mulheres que tomaram coragem de vir a público contar cenas repugnantes vividas sob o comando do presidente da CEF. A mesma CEF que em governos Lula/Dilma, impulsionaram o programa “Minha Casa Minha Vida”, agora estava sob o risco do projeto: “Meu emprego Minha vagina”.

Em 2018 Pedro Guimarães foi demitido do grupo Santander por “machucar” uma colega de trabalho.  Talvez tenha sido esse o ponto do seu currículo que mais contou para a sua admissão no governo de Bolsonaro, que não esconde o seu desprezo pelas mulheres. Considera a filha “uma fraquejada” e em eventos públicos costuma dirigir-se a elas com a frase: “vai para trás, meu Deus do Céu”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não há tempo eleitoral para que ele se transmute em defensor do gênero feminino. Tampouco a medida de retirar dos seus quadros o predador Guimarães nos leva a crer que se condoeu com os relatos, diante dos quais pode ter dado boas risadas. Mas já é um alívio saber que o senhor Pedro Guimarães não possui mais o poder de submeter aos seus avanços, funcionárias que certamente só estavam ali para defender o salário, a dignidade dos seus cargos e a intimidade dos seus corpos. Corpos, esses, conspurcados pelas expressões, convites e mãos imundas desse senhor que deve ser do tipo que faz xixi e não as lava, porque considera o seu pinto ferramenta de trabalho. 

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email