Perdeu, Bretas

"Durou apenas três dias a prisão preventiva (sem prazo para terminar) do ex-presidente Michel Temer, determinada pelo juiz Marcelo Bretas. Foi frustrada a sua tentativa de fortalecer a Lava Jato e ocupar o posto de número 1 da operação, vago depois de Moro se tornar ministro. Ao contrário, a Lava Jato saiu ainda mais enfraquecida com o puxão de orelha do desembargador Antônio Ivan Athiê", avalia o jornalista Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Perdeu, Bretas
Perdeu, Bretas (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino)

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia - Durou apenas três dias a prisão preventiva (sem prazo para terminar) do ex-presidente Michel Temer, determinada pelo juiz Marcelo Bretas. Foi frustrada a sua tentativa de fortalecer a Lava Jato e ocupar o posto de número 1 da operação, vago depois de Moro se tornar ministro. Ao contrário, a Lava Jato saiu ainda mais enfraquecida com o puxão de orelha do desembargador Antônio Ivan Athiê.

No dia da prisão (6ª.feira), ele não acatou imediatamente o habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente, o que poderia ter feito. Preferiu marcar o julgamento para quarta-feira. Hoje, no entanto, ele se antecipou, dispensou as opiniões dos colegas e decidiu revogar todas as prisões efetuadas, convencido de que não se justificavam. E atropelado pelas decisões de dois outros desembargadores que já tinham libertado dois outros alvos dessa Operação Descontaminação. Não havia como manter os demais investigados presos.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247