Persona non grata

É muito importante que as entidades coletivas de professores, alunos e funcionários se reúnam no dia da posse e protestem em alto e bom som que o senhor Fernando Bezerra Coelho é uma "persona non grata" na Universidade Federal de Pernambuco

Fernando Bezerra Coelho
Fernando Bezerra Coelho (Foto: Jane de Araújo/Agência Senado)

Foi anunciada a presença do senador do MDB, Fernando Bezerra Coelho,  na cerimônia de posse do novo reitor da UFPE, como representante do Governo Federal. Para quem não conhece a figura, trata-se de um legítimo espécime camaleônico ligado umbilicalmente a uma das oligarquias mais antigas da cidade de Petrolina, a da família Coelho, fundada pelo coronel Quelé. A história desse clã oriundo do sertão de Pernambuco já foi contada e recontanda pelo historiador e cientista político Ruyter Bezerra, doutor em Ciência Política, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em seus dois importantes livros sobre a família Coelho; o que lhe custou, aliás,  muitos dissabores na vida.

A trajetória política do senhor Fernando Bezerra é aquela marcada pela  contínua e permamente troca de legenda partidária, quando lhe convém, num quadro, diga-se de passagem, em que não escapam nem os políticos que se dizem de "esquerda" em nosso Estado. Ele já passeou por diversas agremiações políticas de forma a acomodar as diversas facções políticas de sua própria família (há os da direita declarada, os de centro e até os que se apresentam como de "esquerda"). Esteve no palanque do finado Eduardo Campos e foi seu secretário de Indústria e Comércio, chegando a administrar o Porto de Suape. Depois, passou para a oposição, quando o PSB passou a fazer críticas a Temer e a Bolsonoro. Agora, virou líder do governo no Senado e é nesta qualidade que pretende estar na posse do novo reitor.

Curiosamente, a sua biografia foi recentemente enriquecida com a denúncia do recebimento de propinas durante a última campanha eleitoral. A isso, some-se aquela outra, documentada em vídeo, da recepção de recursos, juntamente com outros políticos de Pernambuco, oriundos da transposição do rio São Francisco. O que fazer com um político tradicional, conservador, fisiológico, como esse? Deixá-lo manchar a imagem da UFPE, numa empreitada - sabidamente - politiqueira, como querendo marcar presença na na cena política pernambucana, às vesperas de outro pleito eleitoral? Conta-se, entre outras façanhas, que teria bancado o nome de Antonio de Campos, para a presidencia da FUNDAJ. Desejará o senador petrolinense se apresentar como benemérito ou patrocinador das causas educacionais em nosso Estado? - Nada mais falso e ridículo.

Na minha modesta opinião de ex-professor titular (aposentado) da instituição universitária, a comunidade acadêmica - com a representação de seus tres segmentos - não deveria permitir essa desonrosa e incômoda visita. É muito importante que as entidades coletivas de professores, alunos e funcionários se reúnam no dia da posse e protestem em alto e bom som que o senhor Fernando Bezerra Coelho é uma "persona non grata" na Universidade Federal de Pernambuco. Que ele não conspurque ou ofenda a  dignidade desta instituição pública de ensino superior. Mais ainda representando um governo hostil, inimigo da cultura, do ensino, da pesquisa e da extensão universitária. Que ele vá procurar as escolas particulares (como fez Mendoncinha) para pontificar como beneplácito da educação superior.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247