PF tenta obstruir candidatura Lula

"É batata. Basta aparecer uma pesquisa mostrando Lula vários corpos à frente dos demais candidatos a presidente em 2018 para logo a seguir surgir uma contestação ao ex-presidente. Na falta de acusação consistente, qualquer uma serve, desde que dê notícia negativa na imprensa", observa o colunista Alex Solnik, chamando de "surreal" a denúncia encaminhada pelo delegado Marlon Cajado ao STF em que acusa Lula de obstrução à Justiça por sua nomeação a ministro da Casa Civil no governo Dilma; "A nomeação de Dilma, como se sabe, não foi consumada. Como, então, algo que não aconteceu poderia ter provocado 'embaraço ao avanço da investigação'? É algo tão inverossímil quanto uma mulher ficar grávida sem ter tido relação sexual", compara Solnik

"É batata. Basta aparecer uma pesquisa mostrando Lula vários corpos à frente dos demais candidatos a presidente em 2018 para logo a seguir surgir uma contestação ao ex-presidente. Na falta de acusação consistente, qualquer uma serve, desde que dê notícia negativa na imprensa", observa o colunista Alex Solnik, chamando de "surreal" a denúncia encaminhada pelo delegado Marlon Cajado ao STF em que acusa Lula de obstrução à Justiça por sua nomeação a ministro da Casa Civil no governo Dilma; "A nomeação de Dilma, como se sabe, não foi consumada. Como, então, algo que não aconteceu poderia ter provocado 'embaraço ao avanço da investigação'? É algo tão inverossímil quanto uma mulher ficar grávida sem ter tido relação sexual", compara Solnik
"É batata. Basta aparecer uma pesquisa mostrando Lula vários corpos à frente dos demais candidatos a presidente em 2018 para logo a seguir surgir uma contestação ao ex-presidente. Na falta de acusação consistente, qualquer uma serve, desde que dê notícia negativa na imprensa", observa o colunista Alex Solnik, chamando de "surreal" a denúncia encaminhada pelo delegado Marlon Cajado ao STF em que acusa Lula de obstrução à Justiça por sua nomeação a ministro da Casa Civil no governo Dilma; "A nomeação de Dilma, como se sabe, não foi consumada. Como, então, algo que não aconteceu poderia ter provocado 'embaraço ao avanço da investigação'? É algo tão inverossímil quanto uma mulher ficar grávida sem ter tido relação sexual", compara Solnik (Foto: Alex Solnik)

É batata. Basta aparecer uma pesquisa mostrando Lula vários corpos à frente dos demais candidatos a presidente em 2018 para logo a seguir surgir uma contestação ao ex-presidente.

Na falta de acusação consistente, qualquer uma serve, desde que dê notícia negativa na imprensa.

Essa que veio a lume hoje, engendrada pela Polícia Federal é absolutamente surreal, mas capaz de impressionar os setores mais reacionários que, tendo perdido a paciência com Temer, ficam de cabelo em pé com a possibilidade de Lula voltar ao Planalto.

"A Polícia Federal atribui aos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff crime de obstrução de Justiça" é a manchete produzida nos laboratórios da PF e reproduzida na mídia eletrônica. "Para a PF, ao nomear Lula ministro-chefe da Casa Civil, em março de 2016, a então presidente e seu antecessor - que com a medida de Dilma ganharia foro privilegiado no Supremo e, na prática, escaparia das mãos do juiz federal Sérgio Moro - provocaram 'embaraço ao avanço da investigação da Operação Lava Jato'".

Nem o grupo do "Porta dos Fundos" seria capaz de inventar um enredo tão absurdo.

A nomeação de Dilma, como se sabe, não foi consumada, pois uma liminar do ministro Gilmar Mendes a cancelou.

Como, então, algo que não aconteceu poderia ter provocado "embaraço ao avanço da investigação"?

É algo tão inverossímil quanto uma mulher ficar grávida sem ter tido relação sexual.

Ou alguém morrer mesmo sem ter nascido.

Fica a dúvida se é caso de obstrução de Justiça ou de obstrução de inteligência.

Mas é, sem dúvida, uma clara tentativa de obstrução da candidatura Lula no ano que vem.

E uma afronta – mais uma – à democracia.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247