Por ataques à Constituição, punição a Daniel Silveira

"Não se pode tolerar esses ataques, como o cometido pelo deputado Daniel Silveira. Portanto, sua punição deve ser exemplar, à luz da Constituição e do Código de Ética Parlamentar", defende o deputado José Guimarães (PT)

(Foto: Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A Câmara dos Deputados tem hoje a (19)  chance real de demonstrar a importância da defesa da Constituição e da ordem democrática ao analisar a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). Ao ofender o Estado Democrático de Direito, com ataques ao Supremo Tribunal Federal e a defesa do sombrio AI-5, o parlamentar ofendeu a Constituição e o Código de Ética Parlamentar. Deve ser punido, com a perda do mandato.

É um enorme problema a ser equacionado, já que todo parlamentar, quando assume o mandato, faz juramento em  defesa da Constituição, das leis e da dignidade do povo. São princípios fundantes do  Estado Democrático de Direito. E a conduta política de cada parlamentar deve ser em sintonia com esses princípios, conforme reza a Constituição.

A Carta regula as relações econômicas, sociais e políticas, bem como o funcionamento entre os três Poderes.  O parlamentar bolsonaristas de uma só tacada agrediu ministros do STF, a Constituição, com uma conduta antidemocrática ao defender a ditadura militar e o fim da Suprema Corte, com a substituição de todos os atuais ministros. Uma conduta abominável que deve ser punida.

O fundamento jurídico para sua punição deve ser a Constituição, em seu artigos 5º e 34. A Carta não permite a propagação de ideias contrárias à ordem constitucional e ao Estado Democrático de Direito.

Assim, o caso deve ser julgado à luz da Constituição e do Código de Ética da Câmara dos Deputados. Esse deve ser o lastro da punição, não a liminar do ministro Alexandre de Moraes, do STF, que usou também, para decretar a prisão do deputado , argumento embasado na Lei de Segurança Nacional, um entulho autoritário herdado da ditadura militar. 

A famigerada e autoritária LSN  não pode atentar contra o indivíduo que se organiza social e politicamente, desde que seja com base no respeito à Constituição Federal.  Rechaçamos o apelo à Lei de Segurança Nacional para punir o parlamentar do estado do Rio de Janeiro.

Ele deve ser punido por atentar contra  a Constituição e o Estado democrático de Direito e o Código de Ética  parlamentar. 

Assim, cabe à Câmara instalar imediatamente o Conselho de Ética para que o caso seja julgado.  Todos os partidos de oposição já protocolaram representação contra Daniel Silveira no órgão por atacar a Constituição e as instituições. O processo deve ser analisado de forma célere no Conselho de Ética e, posteriormente, no plenário da Câmara.

O parlamentar passou dos limites. Cometeu crime. O instituto da imunidade parlamentar não pode ser usado para cometer crime. Liberdade para expressar opiniões políticas deve ser plena, mas a imunidade não pode ser usada para cometer delitos. 

A democracia no Brasil, com o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, vem sendo vilipendiada todos os dias por hordas de adoradores de ditaduras e dos anos de chumbo. Não se pode tolerar esses ataques, como o cometido pelo deputado Daniel Silveira.  Portanto, sua punição deve ser exemplar, à luz da Constituição e do Código de Ética Parlamentar.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email