Por ataques à Constituição, punição a Daniel Silveira

"Não se pode tolerar esses ataques, como o cometido pelo deputado Daniel Silveira. Portanto, sua punição deve ser exemplar, à luz da Constituição e do Código de Ética Parlamentar", defende o deputado José Guimarães (PT)

www.brasil247.com -
(Foto: Câmara dos Deputados)


A Câmara dos Deputados tem hoje a (19)  chance real de demonstrar a importância da defesa da Constituição e da ordem democrática ao analisar a prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). Ao ofender o Estado Democrático de Direito, com ataques ao Supremo Tribunal Federal e a defesa do sombrio AI-5, o parlamentar ofendeu a Constituição e o Código de Ética Parlamentar. Deve ser punido, com a perda do mandato.

É um enorme problema a ser equacionado, já que todo parlamentar, quando assume o mandato, faz juramento em  defesa da Constituição, das leis e da dignidade do povo. São princípios fundantes do  Estado Democrático de Direito. E a conduta política de cada parlamentar deve ser em sintonia com esses princípios, conforme reza a Constituição.

A Carta regula as relações econômicas, sociais e políticas, bem como o funcionamento entre os três Poderes.  O parlamentar bolsonaristas de uma só tacada agrediu ministros do STF, a Constituição, com uma conduta antidemocrática ao defender a ditadura militar e o fim da Suprema Corte, com a substituição de todos os atuais ministros. Uma conduta abominável que deve ser punida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O fundamento jurídico para sua punição deve ser a Constituição, em seu artigos 5º e 34. A Carta não permite a propagação de ideias contrárias à ordem constitucional e ao Estado Democrático de Direito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim, o caso deve ser julgado à luz da Constituição e do Código de Ética da Câmara dos Deputados. Esse deve ser o lastro da punição, não a liminar do ministro Alexandre de Moraes, do STF, que usou também, para decretar a prisão do deputado , argumento embasado na Lei de Segurança Nacional, um entulho autoritário herdado da ditadura militar. 

A famigerada e autoritária LSN  não pode atentar contra o indivíduo que se organiza social e politicamente, desde que seja com base no respeito à Constituição Federal.  Rechaçamos o apelo à Lei de Segurança Nacional para punir o parlamentar do estado do Rio de Janeiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele deve ser punido por atentar contra  a Constituição e o Estado democrático de Direito e o Código de Ética  parlamentar. 

Assim, cabe à Câmara instalar imediatamente o Conselho de Ética para que o caso seja julgado.  Todos os partidos de oposição já protocolaram representação contra Daniel Silveira no órgão por atacar a Constituição e as instituições. O processo deve ser analisado de forma célere no Conselho de Ética e, posteriormente, no plenário da Câmara.

O parlamentar passou dos limites. Cometeu crime. O instituto da imunidade parlamentar não pode ser usado para cometer crime. Liberdade para expressar opiniões políticas deve ser plena, mas a imunidade não pode ser usada para cometer delitos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A democracia no Brasil, com o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, vem sendo vilipendiada todos os dias por hordas de adoradores de ditaduras e dos anos de chumbo. Não se pode tolerar esses ataques, como o cometido pelo deputado Daniel Silveira.  Portanto, sua punição deve ser exemplar, à luz da Constituição e do Código de Ética Parlamentar.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email