Por Lula, a esperança venceu o medo e o amor vencerá o ódio

Insistir em odiar Lula deve ser tarefa frustrante. Há décadas, a elite e a classe média se obstinam em pedir histericamente a prisão do líder petista, movidos por um ódio cego e febril. Mas o plano de fazer de Lula um vilão, insiste em fracassar miseravelmente

Insistir em odiar Lula deve ser tarefa frustrante. Há décadas, a elite e a classe média se obstinam em pedir histericamente a prisão do líder petista, movidos por um ódio cego e febril. Mas o plano de fazer de Lula um vilão, insiste em fracassar miseravelmente
Insistir em odiar Lula deve ser tarefa frustrante. Há décadas, a elite e a classe média se obstinam em pedir histericamente a prisão do líder petista, movidos por um ódio cego e febril. Mas o plano de fazer de Lula um vilão, insiste em fracassar miseravelmente (Foto: Guilherme Coutinho)

Insistir em odiar Lula deve ser tarefa frustrante. Há décadas, a elite e a classe média se obstinam em pedir histericamente a prisão do líder petista, movidos por um ódio cego e febril, implantados em suas mentes pelos meios de comunicação. Mas o plano de fazer de Lula um vilão, insiste em fracassar miseravelmente. Duas vezes eleito presidente do país, Lula é líder disparado em todas as pesquisas, que começam a indicar uma possível vitória em primeiro turno. Mesmo sob um ferrenho ataque, vindo de uma (in) justiça parcial, é Lula quem o povo quer ver novamente no comando do país. E se, por Lula, a esperança já venceu o medo, está na hora de o amor vencer esse ódio covarde e injustificado que insiste em persistir.

O Jornal Nacional já fez versão estendida para cobrir denúncia contra Lula, a Rede Globo transmitiu ao vivo a (abusiva e inaceitável) condução coercitiva determinada por Sérgio Moro, a revista Veja já o colocou decapitado em uma das dezenas de capas que o depreciaram e Dallagnol já apresentou, em uma coletiva, o famigerado Power Point que o chamou de chefe da quadrilha. O MBL já expôs bonecos infláveis de Lula vestido de presidiário na Avenida Paulista, Dória já fez politicagem ao  xingá-lo diversas vezes nas redes sociais e Moro o condenou sem provas à prisão e à Inelegibilidade. Tudo isso para, em nome do ódio, tentar (em vão) desmoralizar Lula perante o povo. Mas não é fácil desconstruir a imagem do maior presidente da história desse país. Com todo esse circo, Lula ainda discursa para multidões inflamadas onde quer que passe, em todas as regiões do Brasil.

Mas a sanha elitista de calar a voz das ruas beira o desespero. Está mais do que clara a tentativa de judicializar as eleições com o intuito de retirar do pleito o seu candidato-protagonista. Caso o TRF 4 confirme a controversa decisão da primeira instância, restará claro que o acórdão será apenas mais uma peça do golpe iniciado em 2014, com a injusta deposição de Dilma Rousseff.

Caso Lula seja injustamente impedido de concorrer às eleições, a democracia brasileira terá sofrido um golpe de misericórdia, após passar longos dois anos em coma profundo sob um governo elitista e ilegítimo. Será uma vitória implícita dessa cólera alimentada durante décadas. Mas Lula é resistente e sobreviverá com o apoio da maioria dos brasileiros. Admirado por intelectuais, estadistas, professores universitários e astros do rock internacional, Lula é sobretudo amado pelo povo. E assim como em 2002, a esperança venceu o medo, agora, por Lula, o amor vencerá o ódio.

 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247