Por que o impeachment desandou nas ruas?

Colunista Tereza Cruvinel enumera os cinco principais erros da oposição, que levaram ao anticlímax das manifestações de ontem: (1) impeachment liderado por Eduardo Cunha; (2) fragilidade da acusação e atropelos à Constituição; (3) ambição escancarada de Michel Temer; (4) inteligência nacional contra o impeachment e (5) narrativa do golpe foi mais convincente do que a de um processo legítimo de impedimento; "O povo não é bobo. Sabe diferenciar um impeachment imperativo de uma armação golpista", diz ela; leia a íntegra

Colunista Tereza Cruvinel enumera os cinco principais erros da oposição, que levaram ao anticlímax das manifestações de ontem: (1) impeachment liderado por Eduardo Cunha; (2) fragilidade da acusação e atropelos à Constituição; (3) ambição escancarada de Michel Temer; (4) inteligência nacional contra o impeachment e (5) narrativa do golpe foi mais convincente do que a de um processo legítimo de impedimento; "O povo não é bobo. Sabe diferenciar um impeachment imperativo de uma armação golpista", diz ela; leia a íntegra
Colunista Tereza Cruvinel enumera os cinco principais erros da oposição, que levaram ao anticlímax das manifestações de ontem: (1) impeachment liderado por Eduardo Cunha; (2) fragilidade da acusação e atropelos à Constituição; (3) ambição escancarada de Michel Temer; (4) inteligência nacional contra o impeachment e (5) narrativa do golpe foi mais convincente do que a de um processo legítimo de impedimento; "O povo não é bobo. Sabe diferenciar um impeachment imperativo de uma armação golpista", diz ela; leia a íntegra (Foto: Tereza Cruvinel)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

As manifestações de ontem a favor do impeachment foram um anticlímax. Estão aí os dados do Datafolha mostrando a curva descendente de participação e uma retração superior a 70% em relação a março.  É claro que isso pode mudar, tudo pode mudar no processo social. Mas por que, justamente agora, com o processo aberto, a ideia do impeachment desandou nas ruas?

Por vários motivos, quase todos representados por erros da oposição.

1) O primeiro e maior erro dos adversários de Dilma e do PT foi apostar num impeachment liderado por Eduardo Cunha. Mesmo depois que ele começou a ser investigado pela Lava Jato a oposição manteve a aposta. Ensaiou um rompimento mas realinhou-se de forma ambígua depois que ele acolheu o pedido Bicudo/Reale. O povo não é bobo. Entendeu que Cunha chantageou o PT para votar a seu favor e vingou-se quando o partido tomou decisão oposição.

2) O segundo erro foi tentar atropelar as regras e a própria Constituição. O povo não é bobo. Sabe diferenciar um impeachment imperativo de uma armação golpista. Afora a fragilidade jurídica da acusação, houve a tentativa de controlar a comissão especial através de um inusitado “bate chapa” com voto secreto e até a interpretação de que a Câmara, e não o Senado,  terá o poder de tirar Dilma do cargo se o julgamento dela for autorizado por 3/5 dos deputados.

3) Ficou também explícita demais a ambição do vice-presidente Michel Temer pelo cargo. As “caneladas” dentro do PMDB para empurrar o partido rumo ao impeachment também foram muito bandeirosas e culminaram com a truculenta derrubada do líder Picciani,  que é contra o impeachment e continua sendo. As articulações precipitadas do PSDB sobre a participação num eventual governo Temer, da mesma forma, pegaram mal.

4) Boa parte da inteligência nacional posicionou-se contra tal impeachment. Artistas, juristas, intelectuais, sindicalistas, religiosos e reitores, entre outros, são setores sociais que têm peso específico na formação da opinião média. Daqueles que observam o rumo do vento antes de se posicionarem.  

5) Por fim, a narrativa do impeachment não colou, ao passo que a denúncia do golpismo fez sentido e reverberou forte, afastando das manifestações aqueles que não querem figurar numa história antidemocrática. A narrativa do impeachment não colou, entre outros motivos, porque o discurso foi ambíguo. A acusação formal a Dilma foi de crime de responsabilidade por conta de pedaladas fiscais. Mas para a rua, a oposição falava em corrupção, mar de lama, pixuleco e outras metáforas do grande escândalo em curso, que já atingiu tanta gente, inclusive do PT, mas não chamuscou Dilma. Tanto que, no pedido formal, não foi acusada de ato de improbidade mas de má gestão.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email