Posição do Papa sobre aborto reconcilia Igreja com realidade

"Ao anunciar que padres de todo mundo poderão perdoar mulheres que realizarem aborto e pedir anistia para as pessoas detidas em função de um procedimento que em muitos lugares é considerado crime, o Papa Francisco consumou um ato essencial para reconciliar a doutrina da Igreja com a realidade do mundo contemporâneo"; a avaliação é do colunista do 247, Paulo Moreira Leite; ele frisa que o papa não apoiou a legalização do aborto, mas ao falar em perdão e arrependimento, Francisco coloca o debate na perspectiva adequada; "É um avanço que procura recuperar um atraso de três séculos", afirma

"Ao anunciar que padres de todo mundo poderão perdoar mulheres que realizarem aborto e pedir anistia para as pessoas detidas em função de um procedimento que em muitos lugares é considerado crime, o Papa Francisco consumou um ato essencial para reconciliar a doutrina da Igreja com a realidade do mundo contemporâneo"; a avaliação é do colunista do 247, Paulo Moreira Leite; ele frisa que o papa não apoiou a legalização do aborto, mas ao falar em perdão e arrependimento, Francisco coloca o debate na perspectiva adequada; "É um avanço que procura recuperar um atraso de três séculos", afirma
"Ao anunciar que padres de todo mundo poderão perdoar mulheres que realizarem aborto e pedir anistia para as pessoas detidas em função de um procedimento que em muitos lugares é considerado crime, o Papa Francisco consumou um ato essencial para reconciliar a doutrina da Igreja com a realidade do mundo contemporâneo"; a avaliação é do colunista do 247, Paulo Moreira Leite; ele frisa que o papa não apoiou a legalização do aborto, mas ao falar em perdão e arrependimento, Francisco coloca o debate na perspectiva adequada; "É um avanço que procura recuperar um atraso de três séculos", afirma (Foto: Paulo Moreira Leite)
Siga o Brasil 247 no Google News

Ao anunciar que padres de todo mundo poderão perdoar mulheres que realizarem aborto e pedir anistia para as pessoas detidas em função de um procedimento que em muitos lugares é considerado crime, o Papa Francisco consumou um ato essencial para reconciliar a doutrina da Igreja com a realidade do mundo contemporâneo.

O papa não apoiou a legalização do aborto.  Nem anunciou qualquer revisão de um dos mais sólidos dogmas da igreja, que considera toda interrupção voluntária da gravidez como um atentado a vida e chega a colocar fiéis em risco ao proibir o uso de preservativos que podem impedir a contaminação pelo virus da AIDS.

Francisco esclareceu que o perdão só será concedido para aquelas mulheres que demonstrarem arrependimento.

Com isso, manteve-se no papel na defesa dos valores tradicionais da Igreja. Não poderia, como Papa, Sua Santidade e chefe político da Igreja, agir de outro modo. Mas sua medida vai no caminho adequado.  

PUBLICIDADE

Só para se ter uma ideia do valor dessa decisão. Em 2007, quando o antecessor Bento XVI estava no avião a caminho do Brasil, a discussão sobre aborto surgiu numa entrevista a 11 000 metros de altura. A questão foi provocada pela reação de bispos mexicanos, que haviam anunciado a excomunhão de parlamentares que haviam votado a favor de um projeto que legalizava o aborto. Bento XVI apoiou a punição -- enfaticamente.  

Anos mais tarde, num caso dramático ocorrido em Pernambuco, o Vaticano defendeu a excomunhão de uma menina de 9 anos que, estuprada pelo padrasto, ficara grávida de gêmeos.

Em 2009, Bento XVI chamou o embaixador do Brasil na Santa Sé para mandar um recado a Brasília, condenando não apenas o aborto, mas também as pesquisas com células- tronco embrionárias e a eutanásia.

PUBLICIDADE

Em 2010, dias antes do segundo turno da eleição presidencial, Bento XVI aproveitou um encontro com bispos do Maranhão para aconselhar que a Igreja recomendasse aos fiéis que votassem a favor do "bem comum". Na prática, a orientação do Papa ajudava a oposição. Fazia coro a uma campanha de lideranças religiosas -- católicas ou não -- que tentavam acusar Dilma de ter um plano secreto de legalizar o aborto depois da vitória, o que não tinha fundamento na realidade mas era uma mentira de grande utilidade para tirar votos.

Ao falar em perdão e arrependimento,  Francisco coloca o debate na perspectiva adequada.

Abandona o ponto de vista de quem pretende impor o ponto de vista de uma religião particular ao conjunto da sociedade, para reconhecer que se trata de uma questão a ser resolvida por cada um, de acordo com seus próprios valores e convicções.

PUBLICIDADE

Francisco fala para quem segue o catolicismo e suas regras -- e essa é uma forma de demonstrar respeito por quem tem outra fé ou mesmo não tem religião.

É um avanço que procura recuperar um atraso de três séculos -- período em que a humanidade compreendeu a imensa importância, para a democracia, da separação entre Igreja e Estado. 

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email