Povo intimidado pela crise não se anima sequer a protestar

O que temos é uma gigantesca indiferença da opinião pública em relação à causa de uma tragédia econômica sem precedentes empurrando o desemprego para 13 milhões, hoje, e provavelmente 20 milhões até o fim do ano

Michel Temer e Henrique Meirelles
Michel Temer e Henrique Meirelles (Foto: Jose Carlos de Assis)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Não é de se esperar que, por conta da crise econômica e do alto desemprego, o povo deixe de pular o carnaval nas ruas de nossas metrópoles com milhões de foliões, mais de uma semana antes do feriado oficial. O que poderíamos esperar, mas não esperamos, é que depois do carnaval milhões voltem às ruas para protestar contra a crise e exigir uma solução. É que o povo brasileiro está anestesiado pela grande mídia. Intimidado. Desesperançado. Acovardado. É um povo que critica a política no abstrato mas nada procura saber dela no concreto.

O que temos é uma gigantesca indiferença da opinião pública em relação à causa de uma tragédia econômica sem precedentes empurrando o desemprego para 13 milhões, hoje, e provavelmente 20 milhões até o fim do ano. Ensinam ao povo que a crise se deve aos governos do PT, ou aos roubos na Petrobrás (o que também se deveria ao PT), ou a corrupção dos políticos, enquanto se assiste a uma extrema complacência em relação ao Governo atual, que conta a história de que estaria salvando o Brasil dos vícios acumulados nos anos anteriores.

Qual é a razão profunda para essa indiferença? Temos o Governo mais corrupto da história da República se medirmos corrupção pela profundidade e velocidade com que promove a privatização do patrimônio público sem nenhum cuidado em resguardar o interesse nacional. Esse Governo nada fez de construtivo e ousa fatiar a Petrobrás, a maior empresa da América Latina, feita com o suor de todos os brasileiros que a financiaram com sobretaxas na gasolina e no diesel, com o objetivo de facilitar sua privatização aos pedaços.

A Vale, a maior mineradora do mundo, está tendo seu controle transferido de graça à  Mitsui e ao Bradesco, uma empresa estrangeira e um banco internacionalizado. Planeja-se a venda ilimitada de terras brasileiras ao capital estrangeiro em favor do agronegócio. No Rio, o Governo federal estrangula financeiramente o Estado a fim de arrancar dele o compromisso de privatizar a Cedae, o que acaba de ser autorizado. Em São Paulo, o prefeito segue o roteiro federal anunciando privatizações de praças, estádios e até de cemitério.

Tudo isso são medidas adotadas ou inspiradas pelo Governo, depois do impeachment, e nada tem a ver com decisões corretivas dos governos de Dilma ou do PT. Ao contrário, são iniciativas de agora decorrentes do infame Ponte para o Futuro. Seu objetivo torna-se cada vez mais claro. Visa a destruir o espaço do setor público ou mesmo da empresa nacional para criar oportunidades para o setor privado. E o importante nem é ceder patrimônio ao capital privado, principalmente estrangeiro. O importante é o negócio em si, que gera propinas.

O turbilhão de iniciativas desnacionalizantes do Governo, que conta com maioria folgada na Câmara e no Senado para aprovar até reformas constitucionais, e dentre elas roubos descarados como foi a iniciativa de doar mais de R$ 100 bilhões às empresas de telecomunicações, tem o propósito deliberado de impedir qualquer movimento ordenado de oposição. O máximo que tem sido feito é o protesto ineficaz por parte de parlamentares inconformados nos plenários da Câmara e do Senado ou pelas TVs do Congresso.

  Se o avaliarmos por seu perfil ideológico, o atual Governo recua até Joaquim Levy, no início de 2015. Paralisada pelas investidas políticas no âmbito do impeachment, Dilma não teve força parlamentar para tomar qualquer iniciativa até o impeachment. Depois do impeachment, contando com total força parlamentar, o Governo Temer podia e pode fazer praticamente tudo o que quiser. Contudo, suas iniciativas não são contra a crise. São contra o povo. Como exemplo, a infame PEC-55, que congela os gastos públicos em serviços essenciais.

Se a contração de quase 4% em 2015 foi em parte culpa da paralisia do Governo Dilma, a contração de cerca de 5% no ano passado se deve exclusivamente ao regime Temer. Logo se seguirá mais contração, talvez de 3%, neste ano, pois todas, absolutamente todas as medidas adotadas pelo Governo atual são no sentido depressivo. Em algum momento, espera-se, os milhões de brasileiros atingidos pela crise se mobilizarão. Se ainda restar suficiente indignação da parte deles, veremos, como cantou Chico, que amanhã há de ser novo dia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247