Povo vai no essencial: quer justiça social e paz

"Nos 100 dias do governo Bolsonaro, a mensagem das pesquisas do DataFolha é clara," escreve Paulo Moreira Leite, articulista do 247. "Sérgio Moro pode ter a popularidade de ídolo musical e Paulo Guedes pode tirar selfies quando viaja de avião, mas quando pensa sobre sua vida e em sua família a maioria da população rejeita a violência, inclusive o decreto que libera a posse de armas, e recusa a reforma da Previdência". Para PML, "divulgados em momento oportuno, estes levantamento reforçam a resistência e estimulam uma ação unificada das forças de oposição". 

Povo vai no essencial: quer justiça social e paz
Povo vai no essencial: quer justiça social e paz

Contrariando a visão convencional de que a eleição presidencial de 2018 expressou uma profunda virada ideológica na sociedade brasileira, duas pesquisas do Data Folha contem notícias devastadoras para os principais projetos do governo Bolsonaro.

Vinte e quatro horas depois da revelação de que a população recusa a reforma da Previdência por 51% a 41%, descobre-se que o pacote anti-crime de Sérgio Moro é alvo de uma recusa ainda mais enfática.  Para 64%, a posse de armas, que Bolsonaro liberou como primeira medida de governo, simplesmente deve ser proibida.

Na mesma toada,  79%  acreditam que policiais responsáveis por mortes ocorridas em serviço devem ser investigados como qualquer outra pessoa, em vez de protegidas por medidas que,  em nome da proteção a seu trabalho, favorecem um deprimente histórico de violência e impunidade, que tem como exemplo mais recente a fuzilaria de Guadalupe, onde morreu o músico Evaldo Rosa.

Nos 100 dias do governo Bolsonaro, a mensagem é clara. Sérgio Moro pode ter a popularidade de um ídolo musical. Paulo Guedes não chegou a tanto, mas fica feliz quando tira selfies em viagem de avião.

Quando faz uma pausa para refletir sobre sua existência e de sua família, a maioria vai no essencial. Quer uma vida de paz. Não acredita na violência como solução para nenhum de seus problemas, mesmo a falta de segurança.

Também não abre mão de uma existência com dignidade, onde a noção de igualdade se combina com a ideia de justiça social -- e por isso condena mudanças destinadas a desfigurar a Previdência Social em benefício de investidores do mercado financeiro.

Expressão clara da vontade popular, recados dessa natureza não chegam a mudar as convicções mais profundas das autoridades, mas, sob um regime democrático, costumam ter o efeito saudável de estimular alterações de rumo e acertos de rota. É bom que seja assim.

A experiência de povos e países ensina que nenhuma crise -- econômica, social, política -- é tão grave nem tão difícil de resolver como aquela produzida e realimentada por autoridades que insistem em fazer seu trabalho sem contar com o apoio, ora ativo, ora silencioso, da maioria da população.

A persistência, de cima para baixo,  em torno projetos que não dispõem do devido respaldo na sociedade costuma produzir situações insustentáveis, de permanente tensão política, que acabam resolvidas por métodos conhecidos.

 Ou a sociedade se vale dos recursos oferecidos pela democracia para mudar de governo. Ou este tenta livrar-se da sociedade através de métodos autoritários e até ditaduras.

Divulgadas em momento mais do que oportuno, quando o Planalto inicia uma guerra selvagem para aprovar a reforma da Previdência, e a violência policial-militar permanece agindo descanso, estes levantamentos dão nova legitimidade  a resistência e devem estimular ações unificadas das forças de oposição, esfaceladas desde a derrota em outubro.

 Alguma dúvida?  

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ciro e o Prêmio da Loteria – sendo Vice de Lula
Leandro Fortes

Antipetista temporão

O colunista Leandro Fortes, do Jornalistas Pela Democracia, expõe as duas faces de Ciro Gomes, na ânsia de protagonizar o processo político. Ele destaca que Ciro "mentiu, deliberadamente, para se...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247