Prendo e faço o que com o Florestan? Memórias dos tempos do AI-5

Jornalista Florestan Fernandes Jr. conta a história que envolve uma ordem de prisão contra seu pai, durante a ditadura militar; a determinação teria sido recebida por "um tal de coronel Brandão que servia no Quartel General da Força Pública", que perguntou para onde deveria levar o sociólogo depois da captura; "Ninguém resolveu a questão e poucos dias depois a ordem foi tornada sem efeito", relata o filho

Prendo e faço o que com o Florestan? Memórias dos tempos do AI-5
Prendo e faço o que com o Florestan? Memórias dos tempos do AI-5

Por Florestan Fernandes para o Jornalistas pela Democracia - "No final dos anos 60, um tal de coronel Brandão que servia no Quartel General da Força Pública recebe uma ordem inusitada: deveria prender o professor Florestan Fernandes. Não era coisa de pouco relevo e a ordem recebida fora verbal.

Esperto desde sempre, pediu que lhe fosse expedida uma ordem por escrito. E a coisa empacou. Foi advertido que era uma ordem e, portanto, deveria cumpri-la. Ele argumentou que não se negaria ao cumprimento, mas exigia um papel.

Além disso, perguntou se, preso, para onde deveria levar o sociólogo. Afinal, não poderia prendê-lo e ficar 'passeando' com ele, sem rumo pela cidade. Ninguém resolveu a questão e poucos dias depois a ordem foi tornada sem efeito."

Não é uma coisa de doido? Claro que a ideia não partiu da Força Pública, teria vindo de escalões superiores, leia-se do Exército. O "causo" foi contado por um coronel reformado da Polícia Militar de São Paulo, amigo de uma de minhas irmãs.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247