Privatização da água põe Ciro entre Brizola e Bolsonaro

Á água é o bem mais essencial para garantir a vida da comunidade. Seu destino ficará com o interesse privado ou predominaria o interesse público?

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Traidor do nacionalismo?

Vargas, Jango e Brizola, os pais do trabalhismo, estão de olho em Ciro Gomes, que herdou o PDT trabalhista-brizolista, para saber o que vai fazer em relação à privatização da água, aprovada, no Congresso, pela direita radical bolsonarista, que ele deseja conquistar.

Á água é o bem mais essencial para garantir a vida da comunidade.

Seu destino ficará com o interesse privado ou predominaria o interesse público?

Toda a estrutura da oferta do líquido divino e maravilhoso dado pela natureza, está ancorada em legislação trabalhista-nacionalista varguista-janguista-brizolista.

A nacionalização da água é decisão histórica que levou à construção, em todos os 27 estados da Federação, de empresas públicas concessionárias para exploração do bem natural finito, como é, também, o petróleo.

Sob ideologia trabalhista, não norteou a exploração desse serviço o lucro privado, mas o interesse público.

Por isso, seu preço, em forma de tarifa, sempre foi flexível, conforme não apenas à lei da oferta e da procura, mas, sobretudo, às condições de vida da maioria da população.

As determinações macroeconômicas, em relação à oferta de água e saneamento à população, renderam-se, sempre, às variáveis, não, apenas, econômicas, mas sociais e políticas.

Quando, em tempos de vacas magras, os salários são vítimas da exploração exagerada da mais valia, sempre os governos deram e dão jeito de flexibilizar políticas de preços para o setor.

Essencialmente, os reajustes das tarifas são maleáveis conforme poder de compra dos salários.

Os neoliberais, no poder, jogam essas regras para o alto, em nome do lucro em primeiro lugar, acima do interesse público.

Como as empresas são públicas, o preço sempre se adequou ao interesse social.

Isso acontecia antes com o preço do petróleo, visando, sobretudo, garantir a competitividade da economia, no plano internacional.

E a Petrobrás nunca arcou prejuízo por agir dessa forma, o mesmo acontecendo com as concessionárias estaduais de água.

Para o agronegócio, por exemplo, a Petrobrás, sob orientação nacionalista, pratica preços do diesel, com vistas à competitividade global, onde o Brasil é líder.

A água, nesse sentido, é mais importante que o petróleo, dada sua universalidade como determinante da sobrevivência humana, que não pode se submeter ao interesse individual, à ganância, à exploração do lucro pelo lucro etc.

Dilema cirista

Ciro Gomes, que quer disputar eleição de 2022 pelo PDT, herdeiro de Brizola e do nacionalismo varguista-janguista, vai romper a regra, para atender o interesse privado?

A tentação em cima dele, para agir nesse sentido, é grande, porque pretende atrair a direita democrática neoliberal, afastando-a do fascismo ultrarradical bolsonarista, para a disputa presidencial.

O preço a pagar para conquistá-la, certamente, está posto na mesa pelos ultraneoliberais, como condição para apoiá-lo:  privatizar a água.

Poderosos grupos internacionais anseiam em comprar, agora, na bacia das almas, as concessionárias de serviços de água e esgotamento, abocanhando estrutura produtiva e ocupacional, pronta e acabada.

Nesse contexto, a classe média vira obstáculo para ele.

Com a economia em frangalhos, tendendo a piorar na fase pós-coronavírus, ela estará completamente proletarizada, no ambiente de queda do PIB de 10% ao ano, com desemprego na casa dos 20% a 25% da população economicamente ativa.

Tal classe média proletária à vista estará, certamente, propensa a ir às ruas contra o ultraneoliberalismo pró-privatização da água e do salário mínimo real de R$ 600, podendo ir à R$ 300, se a economia não reagir à pandemia.

Se o pedetista cearense apoia privatização da água, jogará o custo em cima dessa classe média proletarizada, cujo poder de compra, com a bancarrota neoliberal, está virando pó.

Haverá investidor para jogar de R$ 700 bi a R$ 1 trilhão, no saneamento, básico, como promete o projeto de privatização, aprovado no Congresso, em meio à destruição do poder de compra dos salários?

O dilema de Ciro, então, será o de ou ganhar a classe média, reativa à privatização da água e dos serviços de esgotamento, em geral, negando a privatização, que a prejudica, ou perde-la, se for contra os seus interesses.

Se levantar bandeira bolsonarista, que é o desejo dos privatistas da água, como o senador coca-cola do Ceará, Tasso Jereissati, estará, politicamente, liquidado.

Mais uma vez, naufragaria diante da oposição contra a qual está se indispondo para ganhar a direita liberal, atraindo-a ao centro onde se encontra.

Diante desse imbróglio, pode ser que Ciro vá para Paris pensar.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247