Professor da USP revolta-se contra Aras e Lira, cúmplices do negacionismo bolsonarista

Sem o primeiro, não há impeachment. Sem o segundo, não se abre processo criminal contra o presidente

www.brasil247.com - Vacinação infantil
Vacinação infantil (Foto: José Cruz / Agência Brasil)


A vacinação infantil contra a Covid-19 começou no Brasil. Pode-se afirmar sem medo de errar que o governo vacina a criançada por pressão da civilização, não por desejo ou convicção. Como deixou claro em inúmeras declarações, com ecos do ministro da Saúde, Jair Bolsonaro preferiria ver a garotada longe das agulhas da imunidade. 

O mais novo desvario do capitão ignora o que realiza o próprio governo, que aplica nada menos que 25 vacinas nos brasileirinhos e nas brasileirinhas até os seus seis anos de idade (o Programa Nacional de Imunização ainda não foi destruído por Bolsonaro). Contra hepatite B, rotarívus, meningite, febre amarela, varicela, poliomielite, sarampo e várias outras doenças, tudo certo. Contra Covid-19, não, senhor.

Já está diagnosticada a mente doentia e tirânica do presidente do Brasil. Mais difícil de decifrar é a inação daqueles que respondem pelas instituições republicanas que deveriam freá-lo. O advogado Fernando Aith, professor titular da Faculdade de Saúde Pública da USP, é um dos milhões de indignados. “Nenhum outro país, a não ser este que elegeu Bolsonaro, aceitaria passivamente um governo a atuar contra vacinação infantil numa pandemia”, afirma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tal aceitação não se ilustra apenas pelo silêncio das ruas. Em um nível bem mais grave, concretiza-se no esfacelamento das instituições democráticas que deveriam agir para impedir, coibir e punir palavras e atos de um tiranete desvairado, consubstancia-se na inércia do presidente da Câmara dos Deputados e do procurador-geral da República. Sem o primeiro, não há impeachment. Sem o segundo, não se abre processo criminal contra o presidente. A exemplo de Bolsonaro, Augusto Aras e Arthur Lira entender-se-ão com a História.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estamos numa situação em que o presidente da República e seus principais assessores se sentem à vontade para tripudiar de todas as suas obrigações constitucionais e legais, atuar de forma aberta contra a população, induzir a população à morte, colocar a vida de crianças em perigo, e tudo isso sem qualquer movimento das instituições cuja função é impedir e punir tais condutas”, acusa Aith.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A carapuça serve na medida em Aras e Lira. 

“Há uma total irresponsabilidade por parte das autoridades federais e uma ausência de ação adequada por parte das instituições que deveriam punir aqueles que atuam contra o interesse público, especialmente contra o interesse das crianças neste momento”, protesta o professor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email