Projeto dos militares é um disparate inaceitável numa democracia

Além de representar uma visão totalitária, reacionária e retrógrada de país, esta iniciativa dos militares é um verdadeiro disparate numa democracia

www.brasil247.com -
(Foto: ABr)


Jeferson Miola                                             

Em reportagem de 5 de outubro de 2018, dois dias antes do primeiro turno da eleição daquele ano, portanto, o jornalista argentino Marcelo Falak, dos portais Ámbito Financiero e LetraP, da Argentina, escreveu que “Bolsonaro presidente era o projeto secreto da cúpula militar”.

“Jair Bolsonaro foi o homem que a cúpula das Forças Armadas escolheu há quatro anos para se tornar presidente do Brasil”, começa a referida matéria – confirmando o que de fato havia acontecido; ou seja, o lançamento da candidatura do capitão no pátio da AMAN, ainda em 29 de novembro de 2014, quatro anos antes da eleição de 2018 [vídeo aqui].

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Falak apurou junto a “uma alta autoridade das Forças Armadas que desempenha um papel institucional relevante” que “se ele [Bolsonaro] vencer as eleições de domingo [7/10/2018], o programa do futuro governo cívico-militar será politicamente conservador e absolutamente liberal no econômico, e buscará erradicar a ‘extrema-esquerda’ de uma vez por todas”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na matéria, Falak assinalou detalhes relevantes, como sobre o planejamento da candidatura militar, o ativismo político nos quartéis, o antipetismo como expressão contemporânea do anticomunismo, a inflexão ultraliberal, a trajetória de Bolsonaro, seu terceiro casamento e, inclusive, acerca dos dois anos de psicanálise que ele supostamente teria feito.

Dando um salto no tempo, depois de passar pelos três anos e cinco meses de governo militar catastrófico, se chega neste maio de 2022, e então se pode confirmar os vaticínios da reportagem do jornalista argentino. O principal deles, de que os militares acalentam um projeto duradouro de poder; um projeto de longo prazo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As ameaças golpistas que se intensificaram nas últimas semanas foram acompanhadas de uma mudança qualitativa do protagonismo do partido dos generais – dos comandantes das três Forças e do general-ministro da Defesa. Eles dispensaram a atuação indireta, terceirizada, camuflada, disfarçada, e passaram a assumir o antagonismo frontal e direto ao TSE e ao STF. Comportaram-se, enfim, como falange partidária armada; verdadeiras milícias fardadas.

Em evento com a presença do general-vice presidente Hamilton Mourão [19/5], lançaram o chamado “Projeto de Nação”, trabalho elaborado por três institutos militares que corresponde ao programa de governo [ou regime] militar de longa duração, pelo menos até o ano de 2035.

O documento resume, em relação aos temas abarcados – saúde, educação, costumes, soberania, “globalismo”, economia, Amazônia, áreas indígenas, segurança etc –, a visão doutrinária da contrarrevolução fascista que está sendo promovida pelo bolsonarismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O tal “projeto de nação” expressa uma visão integral de país desde a perspectiva do Exército, não do poder político soberano. Por sinal, a proposta guarda absoluta coerência com o brutal processo de devastação e destruição levado a cabo pelo governo militar.

Como destacou o antropólogo Guilherme Lemos em entrevista a Chico Alves/UOL, “não há dissociação entre o projeto e o que o Exército brasileiro enquanto instituição pensa sobre o Brasil nas mais diversas áreas”.

O pesquisador da UFSCAR alerta para a proposta de criação de um “Centro de Governo” – ente estratégico, de existência permanente, dotado de poder e mandato para materializar o “projeto de nação” concebido pelos militares, independentemente de eleições.

Isso significa que a concretização do projeto “independe da alternância de poder, é para ser implementado no atual governo e nos que virão”, avalia Guilherme Lemos.

A publicação do “projeto de nação” é um sinal importante de posicionamento político e institucional das Forças Armadas, em especial do Exército. É mais um ingrediente adicionado ao cardápio de investidas sistemáticas de Bolsonaro e do partido dos generais contra o Estado de Direito e o pouco que ainda resta de democracia no Brasil.

Mais além de representar uma visão totalitária, reacionária e retrógrada de país, esta iniciativa dos militares é um verdadeiro disparate numa democracia.

É, também, uma mensagem inaceitável de que as cúpulas partidarizadas das Forças Armadas, que alimentam a tola fantasia de que são eles próprios os “fundadores” da nação e da nacionalidade brasileira e os únicos capazes de conduzir os destinos do país em lugar das elites civis incompetentes, no mínimo buscarão continuar exercendo a tutela do poder civil.

Isso se eles não se atreverem a tentar exercer diretamente, de maneira ilegítima, o comando do país.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email