Quem ainda tem medo de impeachment?

"Quem tem medo do impeachment prefere o país assim, desintegrando-se, descompondo-se, pelo vírus e pela falta de governo, do que uma situação de nova disputa pelo governo", escreve o sociólogo Emir Sader. "O Fora Bolsonaro é o único caminho para tirar o Brasil das suas crises"

Jair Bolsonaro e protesto contra ele
Jair Bolsonaro e protesto contra ele (Foto: Isac Nóbrega/PR | REUTERS/Bruno Kelly)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O que de pior o Brasil tem é o governo do Bolsonaro. Nenhum outro governo, estadual ou municipal, se assemelha a ele. Todos os problemas que o pais vive se chocam com o governo federal, obstáculo à sua resolução.

Ha um consenso cada vez maior que com Bolsonaro o país não conseguirá superar a pandemia, dado que não há políticas do governo contra ela, como o próprio Bolsonaro age e fala contra as medidas de precaução, que poderiam limitar os seus efeitos. Tampouco se acredita que, com Bolsonaro e seu inseparável ministro da economia, Paulo Guedes, o país poderá sair da depressão econômica e da monstruosa precariedade econômica de milhões e milhões de brasileiros.

Menos ainda se pode pensar que a instabilidade política inerente ao governo nas atuais circunstancias, poderia ser superada tendo a Bolsonaro como presidente.

Ha, segundo as pesquisas, 70% de rejeição de Bolsonaro no país. O que isso significa? Que querem que Bolsonaro deixe de ser o presidente do país? Como pensam que isso se poderia dar?

Pela quantidade de crimes de responsabilidade que Bolsonaro continua a cometer, se poderia pensar que a via institucional normal para o fazer seria o impeachment. Mas na oposição, nem todos os setores apoiam o impeachment. Como pretendem encarar então o Fora Bolsonaro? Ou não estão pelo Fora Bolsonaro.

Por que tem medo do impeachment? Quem tem ainda medo do impeachment?

Quem tem medo do impeachment aceita que um presidente tenha sido eleito de forma fraudulenta, governe cometendo todo tipo de crimes de responsabilidade, a cada semana, a cada dia. Sua rejeição de Bolsonaro – entre os 70% que o rejeitam – não chega ao limite de comprometer-se com o impeachment.

O que desejam então? Que Bolsonaro baixe o tom das ameaças, que deixe de pregar um golpe, que deixe de atacar frontalmente o Judiciário e o Congresso, aos meios de comunicação. Que deixe o Paulo Guedes avançar seu modelo ultra neoliberal, que os militares sigam ocupando o governo – inclusive o ministério da saúde -, que o Centrão siga seu jogo de troca das nomeações pelo apoio ao governo.

O que lhes incomoda são os excessos com Bolsonaro. Mas, como diz Brecht, os excessos revelam a essência de um fenômeno. O estilo de Bolsonaro faz própria da sua própria natureza como governante. Ele é um governante antidemocrático por definição. Sua política econômica é desastrosa para o país: nem consegue retomar o crescimento da economia, nem tem condições de gerar empregos.

Quem tem medo do impeachment prefere o país assim, desintegrando-se, descompondo-se, pelo vírus e pela falta de governo, do que uma situação de nova disputa pelo governo. No fundo, tem medo do PT, que segue como a alternativa democrática a esse governo. Preferem refugiar-se nesse governo militarizado do que correr o risco – para eles, direita – de um governo do PT, mesmo moderado. Por isso votaram e/ou trabalharam para a vitória de Bolsonaro, sabendo que ele é.

Nem querem pensar nos males que o Brasil teria deixado de sofrer, se Haddad tivesse sido eleito presidente do Brasil. Não assumem responsabilidades pelos sofrimentos dos brasileiros com o governo Bolsonaro. Nem se dispõem a pagar seus erros, jogando-se com tudo o que possam, para tirar o Bolsonaro da presidência.

O Fora Bolsonaro é o único caminho para tirar o Brasil das suas crises – a de saúde pública, a econômica, a social e a política.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247