Quem confia no PMDB?

Temer é um profissional da dissimulação. E que age e atua exclusivamente em razão de suas conveniências políticas mediatas e imediatas. Enxergou na possibilidade da admissibilidade do "impeachment" da presidente da República a chance de se tornar presidente, sem ter de concorrer às eleições

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Vice-Presidente da República, Michel Temer, enviou uma carta a Presidente Dilma se descomprometendo com a defesa de seu mandato e alegando que ela jamais confiou em si e em seu Partido, o PMDB. Convenhamos: qualquer desculpa serve, quando a decisão de fazer ou não fazer algo, já está tomada (há muito tempo). Quem não sabe que o principal beneficiado com o eventual impedimento da titular do cargo será exatamente o Vice-Presidente, o mesmo Michel Temer? - Ou seja, a questão da ruptura de Temer (malfadadamente, sírio-libanês, como Maluf) era uma questão de tempo ("timing", como dizem por aí). Já estava tomada. Cogitava-se que o desembarque do PMDB do governo era para novembro. Foi adiada para o ano que vem.

Agora, foi antecipada em função das "chicanas" do suspeito e investigado presidente da Câmara dos Deputados, o evangélico Eduardo Cunha. O constitucionalista Michel Temer, casado com uma ex-miss, é uma espécie de Esfinge, cujos desígnios íntimos são imprescrutáveis. Só ele mesmo deve saber quais são. Mas, como uma raposa de quintal, dissimula como ninguém: diz gosto, odiando; apoio, desapoiando, conspiro, defendendo e por aí vai.

Ou seja, Temer é um profissional da dissimulação. E que age e atua exclusivamente em razão de suas conveniências políticas mediatas e imediatas. Enxergou na possibilidade da admissibilidade do "impeachment" da presidente da República a chance de se tornar presidente, sem ter de concorrer às eleições. Foi confabular com a ala oposicionista de seu partido e os chefes "impolutos" da oposição à Dilma: figuras caricatas de estadistas e pró-homens da República: o playboy de Minas Gerais, o filho da oligarquia do agreste de Pernambuco, o pelego da Força Sindical e o gangster-presidente da Câmara dos Deputados. Certamente, deve já ter vendido a alma ao demônio, para exercer um mandato-tampão e não se candidatar às eleições presidenciais em 2018. Pode se confiar num acordo desses?

Por outro, o que é o PMBD? - Um partido-ônibus?, Um partido-guarda-chuvas? - Uma frente política? - Ou um amontoado de chefes políticos locais, que não obedecem a nenhum comando, a nenhuma liderança nacional, sem programa, identidade partidária ou princípios republicanos? - O Partido do Movimento Democrático Brasileiro morreu com o doutor Ulisses Guimarães. E cumpriu (bem) sua tarefa de conduzir a redemocratização do Brasil. Permanece como uma assombração, fazendo coisas ruins. Chantageando, vendendo apoio em troca de ministérios, nomeações e verbas.

É representado por um punhado de políticos que, com raríssimas exceções, não merecem o menor respeito ou confiança para participar de "um bolão" da Caixa Econômica. Como se pode confiar num Partido que tem como grandes expressões nacionais: Jarbas Vasconcelos (que saiu do partido, inúmeras vezes, quando lhe convinha), José Sarney, o presidente da ARENA, Romero Jucá, tantas vezes investigado por crimes cometidos contra a República, Renan Calheiros, que até a cabeleira é falsa. E o pior de todos, a raposa dissimulada do Michel Temer, que se aliou ao PT, por mero cálculo político- de que seria beneficiado em qualquer das hipóteses: apoiando a Dilma ou se opondo ao seu mandato, ou fazendo as duas coisas ao mesmo tempo?

O sistema partidário brasileiro há muito tempo vem sendo questionado pela sua incapacidade de dar aquilo que promete: equilíbrio, governabilidade, sustentação parlamentar, eficácia legislativa, representatividade popular. Este sistema entrou num alto grau de desagregação política. Não produz mais nada, a não ser o caos, o contra-exemplo de uma elite parlamentar preocupada com o interesse público. Não sabe (e como poderia saber?) que com isso, contribui e muito para a descrença, o pessimismo, a desesperança da população em relação a classe política brasileira. E alimenta aquele pensamento perigoso de que quanto pior, melhor. Melhor para quem, PMBD?

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247