Quem lembrar e quem esquecer

Hoje, quase 50 anos depois, há ainda quem cultive a ideologia tacanha da ditadura militar e tente condenar ao anonimato aqueles que deram suas vidas para defender a liberdade, a democracia e a justiça social. Refiro-me ao secretário do Meio Ambiente de Alckmin, o fascista Ricardo Salles, que mandou retirar o busto de Carlos Lamarca do Parque Estadual do Rio Turvo

Hoje, quase 50 anos depois, há ainda quem cultive a ideologia tacanha da ditadura militar e tente condenar ao anonimato aqueles que deram suas vidas para defender a liberdade, a democracia e a justiça social. Refiro-me ao secretário do Meio Ambiente de Alckmin, o fascista Ricardo Salles, que mandou retirar o busto de Carlos Lamarca do Parque Estadual do Rio Turvo
Hoje, quase 50 anos depois, há ainda quem cultive a ideologia tacanha da ditadura militar e tente condenar ao anonimato aqueles que deram suas vidas para defender a liberdade, a democracia e a justiça social. Refiro-me ao secretário do Meio Ambiente de Alckmin, o fascista Ricardo Salles, que mandou retirar o busto de Carlos Lamarca do Parque Estadual do Rio Turvo (Foto: Carlos Giannazi)

Em 22 de setembro de 1971, depois de coberta uma sepultura sem nome no Campo Santo de Salvador, o diretor da Censura Federal enviou um comunicado a todos os meios de comunicação: "Por determinação do presidente da República, qualquer publicação sobre Carlos Lamarca fica encerrada a partir da presente, em todo o país. Esclareço que qualquer referência favorecerá a criação do mito ou deturpação, propiciando imagem de mártir que prejudicará interesses da segurança nacional".

Hoje, quase 50 anos depois, há ainda quem cultive a ideologia tacanha da ditadura militar e tente condenar ao anonimato aqueles que deram suas vidas para defender a liberdade, a democracia e a justiça social. Refiro-me ao secretário do Meio Ambiente de Alckmin, o fascista Ricardo Salles, que mandou retirar o busto de Carlos Lamarca do Parque Estadual do Rio Turvo, onde se encontrava, no município de Cajataí, no Vale do Ribeira. Naquela região, Lamarca e mais 14 companheiros (de um total de 16) conseguiram escapar da maior mobilização já feita pelo 2º Exército, um cerco formado por 2,5 mil soldados, helicópteros e até um avião B-26 da FAB, que lançava bombas de Napalm em áreas que eles consideravam suspeitas.

Fundador do Endireita Brasil, Salles comete um crime contra o patrimônio cultural quando determina a retirada do busto e do painel com fotos e informações sobre o comandante da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR). Além de destruir a homenagem, feita com todas as formalidades legais, o capricho do secretário também reduz o potencial turístico do parque, já que oculta um importante atrativo histórico.

Salles, que foi indicado pelo PP para ocupar a secretaria e até onde se sabe, nunca se importou realmente com parques, nem mesmo com meio ambiente. Ele é investigado pelo Ministério Público por modificar o plano de manejo da APA Várzea do Rio Tietê para beneficiar setores econômicos. Por isso tenta desqualificar o MP, como fez recentemente numa audiência pública sobre saneamento básico em Ilhabela.

Agora nosso mandato ingressou com representação ao procurador-geral para que Salles seja investigado também pela destruição do patrimônio histórico e cultural, pois sabemos que para instalação, remoção ou mesmo transferência de obras de arte de documentos públicos e históricos é necessário um processo adequado e fundamentado.

Alguém pode argumentar que nem todo monumento histórico deve ser preservado e citar, por exemplo, a legitimidade da derrubada das estátuas e símbolos confederados, nos Estados Unidos. Só que essas imagens remetem a um orgulho racista que persiste ainda hoje, por isso são nocivas. E também por aqui temos marcas que deveriam ser apagadas. São homenagens a torturadores da ditadura militar, generais que criaram um regime de exceção que matou milhares de pessoas, principalmente após o AI-5, que fechou todas as possibilidades de participação da população no processo político.

Não é esse o caso da Calos Lamarca. Ele foi um capitão do Exército que não concordou com o golpe militar e com o governo sanguinário que fez da tortura uma política do Estado. E um de seus principais feitos foi exatamente livrar da tortura, talvez da morte, 70 companheiros, presos políticos que foram trocados em 1970 pela liberdade do embaixador suíço Giovanni Bucher.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247