Questões ao comandante (1)

Desenvolve-se uma acelerada e preocupante cooperação militar entre o Brasil e os EUA ao tempo em que se dá o rápido desmonte do esforço visando a integração dos países sul-americanos

Questões ao comandante (1)
Questões ao comandante (1) (Foto: SAUL LOEB)

A notícia de que o general brasileiro Alcides Faria Jr ocupará posição hierárquica em unidade operacional do Exército dos EUA, no Texas, inquietou os que se preocupam com a soberania nacional e a paz.

A expectativa de conflito armado na Venezuela e de iminente intervenção militar estadunidense alimentou a apreensão. O silêncio do Ministério da Defesa e do Comando Exército amplificou o estranhamento.

O fato é que os brasileiros foram informados a respeito através de uma exposição do almirante estadunidense, Craig Faller, perante o Senado de seu país.

A nomeação do general integra um conjunto de iniciativas de aproximação entre os exércitos do Brasil e dos EUA. Nos acertos, destaca-se o envio de um batalhão de infantaria para exercício de treinamento no Fort Polk, em Louisiana, no segundo semestre de 2020, atividade que ganhou o nome de operação "Culminating".

Esta iniciativa foi autorizada por uma portaria do Comando de Operações Terrestres, em 26.12.2016, após o impeachment da presidente Dilma. A tropa brasileira (300 a 500 homens) seria enquadrada numa brigada do exército estadunidense.

Fort Polk é o principal campo de treinamento em operações terrestres dos EUA, usado, inclusive, pelos marines. Tecnicamente, é o que há de mais avançado no mundo. Oficiais de países pobres ficam deslumbrados com a sofisticação dessas instalações. O treinamento é essencialmente destinado à operações de ocupação, não de proteção de fronteiras, como seria de interesse para um país como o Brasil.

As mudanças na política externa brasileira desde 2016 e, sobretudo, desde a posse do atual presidente da República, foram muito comentadas. Os assuntos de Defesa, mesmo os mais relevantes, já não despertaram atenção até a nomeação do general Farias Jr.

Os brasileiros, pouco preparados para discutir negócios militares, precisam saber o que ocorre.

Desenvolve-se uma acelerada e preocupante cooperação militar entre o Brasil e os EUA ao tempo em que se dá o rápido desmonte do esforço visando a integração dos países sul-americanos. Trata-se do abandono das diretrizes da Estratégia Nacional de Defesa (END), firmada em 2008 e revisada em 2012, que estabelece como prioridade a integração com vizinhos, a preservação da paz e a rejeição da unipolaridade. Tudo ocorre à revelia do Parlamento, que aprovou a END.

Os estreitos laços militares com os EUA intrigam por seus impactos sobre a paz no Continente, as relações internacionais e a defesa da Pátria. A integração continental firmava-se como grande novidade geopolítica e ensejava oportunidade ao Brasil de agir como ator global. As novas orientações anulam tais expectativas.

Como se enquadra a cooperação militar entre o Brasil e os EUA no contexto de crescente tensão na Venezuela?

O noticiário revela que Washington abre nova fase em sua alongada intromissão neste país. Há mais de uma década os EUA buscam desmoralizar seus dirigentes, desestabilizar seu regime e seu governo, desorganizar sua economia, submeter seu povo à fome e cindir suas Forças Armadas. Não evitaram práticas terroristas, como as tentativas de assassinato de Hugo Chávez e Nicolas Maduro.

A interrupção da chamada experiência bolivariana é decisão tomada pelos EUA e executada através de operações conducentes à guerra desde o fracasso golpe de Estado de 2002.

Os governos Temer e Bolsonaro aderiram ao esforço de isolamento e aniquilação do governo venezuelano. O Exército Brasileiro alinha-se à intervenção estadunidense na Venezuela?

O governo Trump retira tropas estadunidenses na Eurásia e no Oriente Médio. Empenha-se em reduzir suas numerosas e dispendiosas bases militares espalhadas no mundo sem reduzir o que o jargão militar chama de "projeção de poder". Para isso, conta com aviões, mísseis, submarinos, gigantescas embarcações e observação por satélite.

Esta potência trabalha com a idéia de preservar suas tropas no conflito em curso na Venezuela, em que pese a ameaça de envio de 5 mil soldados. O boicote da economia e a precariedade programada das condições de vida dos venezuelanos constituem o pretexto para o estabelecimento de "corredores humanitários" através dos países vizinhos.

Diante da omissão da Presidência da República, oficiais brasileiros propiciaram alívio negando a possibilidade de cessão de nosso território para circulação de tropas estadunidenses. Mas não deixaram claro se brasileiros participariam de operações salvacionistas programadas. Declararam também que a fronteira com a Venezuela não será fechada. Objetivamente, o que significa isso?

Submeter a população à fome é tática guerreira ancestral. Houvesse preocupação com a fome dos venezuelanos, que liberassem os recursos financeiros da Venezuela bloqueados por ordem de Washington.

O Exército Brasileiro tem ciência dos riscos do alinhamento às ordens Washington?

O cerco diplomático à Venezuela logrou resultados parciais. Dos 35 integrantes da OEA, apenas 11 apoiam a rejeição ao presidente Maduro. A União Europeia, é composta por 28 membros, mas apenas 13 acompanham tal posição. A ONU tem 193 países membros, mas apenas 24 apoiam o auto-proclamado Juan Guaidó.

Por outro lado, potências de reconhecida capacidade econômica e militar, como a Rússia, a China e o Iran emprestam apoio ao atual governo venezuelano. Desenhou-se uma confrontação de alcance mundial sem roteiro previsível.

Nesse cenário, o Exército Brasileiro endossa a posição do Comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa, que em discurso de posse firmou posição ao lado de potências imperialistas ocidentais? Aliás, quem autorizou esse oficial a definir a posição estratégica brasileira?

O alinhamento aos EUA é o avesso do "Brasil acima de tudo". É claramente "America First".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247