Recibo de ingratidão

Barbosa, mesmo que tenha demonstrado sentimentos negativos em relação à presidenta Dilma, e obviamente ao PT, jamais poderia ter esquecido que foi pelas mãos desse partido que alcançou o STF

"Se quiser me homenagear, basta não votar no PT". A frase, que tem sido divulgada em alguns portais atribuída a Joaquim Barbosa, se for mesmo verdadeira, é o maior recibo de ingratidão absurdamente de pessoa pública que se terá notícia por muito tempo. O Sr. Barbosa, mesmo que em inúmeras oportunidades tivesse demonstrado sentimentos negativos (ou contrários) em relação à presidenta Dilma, e obviamente ao PT e seus integrantes, jamais, em tempo algum, poderia ter esquecido que foi pelas mãos desse mesmo partido, mais precisamente do ex-presidente Lula, que ele alcançou o sonho de chegar à mais alta corte desse País.

Segundo a revista Carta Maior (em artigo de Chico Vigilante no Brasil 247 de 19 de maio), em um determinado momento, o Sr. Barbosa procurou o então Ministro Chefe da Casa Civil José Dirceu (2003-2007) apresentando um pedido para que seu nome fosse levado ao Presidente Lula, a quem caberia indicar à Suprema Corte. Dirceu recebeu o pedido e teria comentado com o pretenso candidato ao STF: "Bom mesmo será o dia em que os que pretendem chegar ao Supremo obtenham sua indicação por seus próprios méritos, e não por indicações políticas como a que está me pedindo".

Conforme a lenda, esse seria o motivo pelo qual ele teria perseguido tanto o Sr. José Dirceu e seus aliados, na famosa farsa da chamada AP 470, ou mensalão (que nunca foi mensalão) petista.

Barbosa passou pelo STF como um cometa fugaz, destinado a arrasar com o que julgara estar completamente errado. Muitas das vezes escreveu torto por linhas certas. Desafiou juristas e criou leis para credibilizar os seus grandiosos atos. Colocou em cheque decisões de juízes de execuções e também a vida de 10 mil detentos que estão em regime semiaberto no País.

Ele foi herói e anti-herói, protagonista e coadjuvante, amado e odiado. Criou um espetáculo sem precedentes na justiça brasileira, expondo o STF a um certo grau de insegurança jurídica. Menosprezou decisões de colegas togados, criou a norma 154 de execução penal que determina que o relator de cada caso, seja também o juiz responsável pela fase de execução (na qual está incluída a decisão de vistoriar e decidir sobre os pedidos de saída para trabalho) e que ele próprio descumpriu. Fez do STF a extensão dos seus mais nobres devaneios.

Resta-lhe agora gozar dos mais paradisíacos roteiros em Miami, Flórida. Das galerias e cafés da vintage "Lincoln Road" aos passeios de air boat nos everglades abarrotados de crocodilos. Aproveitar a gastronomia de "Bay Side" ou simplesmente curtir os barzinhos da Ocean Drive. Dar uma voltinha de barco no navio-casino Princesa, ou quem sabe fazer até uma fezinha no Miccosukee Resort & Gaming.

Joaquim Barbosa, após a sua aposentadoria precoce, poderá palestrar livremente pela Europa, Ásia ou Estados Unidos. Terá tempo de sobra para dar autógrafos e entrevistas, para ler e até escrever a sua polêmica biografia. Enfim, ele terá de fato o descanso dos justos.

Segundo a minha teoria do meu domínio do fato, apesar das declarações dos poucos políticos enaltecendo o seu trabalho, quem sentirá mais a falta dele no STF será a oposição do governo Dilma.

Entretanto, algumas pessoas realmente sentirão saudades, do mesmo jeito que sentem do Lex Luthor, Coringa e Darth Vader. Ou seja, dos anti-heróis que conquistaram e fizeram uma bela história nesse mundo. Au revoir, arrivederci, Auf Wiedersehen, despedida, goodbye. Vá com Deus! #PorUmaJustiçamelhor

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247