Refinaria no Nordeste agora é negócio da China

No início de 2016 começaram a surgir as primeiras notícias sobre o interesse, primeiro da Índia e Irã com relação à refinaria no Maranhão e da China e Irã pela refinaria do Ceará

Logo da Petrobras na refinaria da companhia em Paulínia, no Estado de São Paulo, Brasil 01/07/2017 REUTERS/Paulo Whitaker
Logo da Petrobras na refinaria da companhia em Paulínia, no Estado de São Paulo, Brasil 01/07/2017 REUTERS/Paulo Whitaker (Foto: Cláudio da Costa Oliveira)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tenho escrito sobre isto há mais de um ano. As refinarias “premium” que a Petrobras projetava construir, uma no Maranhão e outra no Ceará, foram abandonadas no início de 2015 consideradas inviáveis economicamente.

https://www.ocafezinho.com/2016/11/22/com-privatizacao-toque-de-caixa-economista-aponta-perdas-da-petrobras/

Só descobriram que elas eram inviáveis depois de já terem sido gastos R$ 2,7 bilhões nos projetos. Baixa contábil total (impairment) Alguém foi responsabilizado por isto? Alguém foi para a cadeia?

Vejam que o Brasil é tão rico que R$ 2,7 bilhões são jogados no lixo e parece que niguém percebe. A PGR serve para que ?

https://www.ocafezinho.com/2017/01/27/o-golpe-foi-tambem-pra-roubar-voce-coxinha-petrobras-esta-sendo-saqueada/

No início de 2016 começaram a surgir as primeiras notícias sobre o interesse, primeiro da Índia e Irã com relação à refinaria no Maranhão e da China e Irã pela refinaria do Ceará. (vejam artigos anexados)

Logo os políticos nordestinos começaram a informar que os projetos tinham o aval do governo Temer, com aprovação de Padilha, Serra (na época ministro) e Pedro Parente.

Agora o assunto volta com toda força, com a aparente saída dos indianos, conforme artigos a seguir :

http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/polo-petroquimico-e-refinaria-vao-gerar-2-7-mil-empregos-1.1854898

https://g1.globo.com/economia/noticia/china-deve-construir-refinaria-de-petroleo-no-maranhao-diz-secretario-do-ministerio-de-energia.ghtml

Resumindo os projetos :

- Refinaria do Maranhão, capacidade de refino de 650 mil barris dia e investimentos de US$ 10 bilhões.

-Refinaria do Ceará, capacidade de refinao de 300 mil barris dia e investimentos de US$ 5 bilhões.

Todos os equipamentos serão produzidos na China e o Irã fornecerá o petróleo. Os derivados serão vendidos no Brasil.

Aqui cabe a velha pergunta : Que país é este ?

Além da fabricação dos equipamentos gerando empregos e impostos na China, vamos nos tornar mercado cativo para 950 mil barris dia de petróleo do Irã. Vocês conseguem entender ?

E dizem que já está tudo aprovado pelo governo Temer

Completando a entrevista, o secretário do Ministério das Minas e Energia, Márcio Felix, falando sobre a Cessão Onerosa sentenciou : “Se não resolver até o final deste ano ficará só para 2020” . Segundo o secretário, sendo 2018 um ano eleitoral e 2019 o primeiro de um novo governo, fatos que impediriam a solução do problema.

Aparentemente o problema é enorme, mas nada justifica este adiamento.  

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247