Reflexões sobre o conservadorismo brasileiro

Não conseguimos atingir, de fato, a maturidade da autonomia, do controle sobre as instituições políticas. Mas nos revoltamos. E com certa freqüência

O padrão moral brasileiro sempre foi motivo de interesse sociológico. Somos uma mescla de festa pagã e ritual religioso. O ritual religioso é, como já havia compreendido Reginaldo Prandi (e detalhado em estudos sobre a religiosidade medieval por Carlo Ginzburg), uma bricolagem, uma composição de valores, crenças e doutrinas as mais díspares.

Uma primeira hipótese é que nosso "fervor" religioso seria utilitário: tememos, antes de adorarmos, sermos punidos pela frouxidão. Uma noção primária e atávica (no caso, originária da pregação jesuíta aos desatentos indígenas que viviam no litoral brasileiro) do pecado original. Caso não seguíssemos o interesse das armas e da cruz, dá-lhe Missões (Luis Mir escreveu um tratado sobre esta desventura em seu O Partido de Deus). Nossa religiosidade nasceria, então, do avesso do avesso.

Outra hipótese, não excludente da primeira, seria nossa carência (ou excesso) afetiva. Algo entre o "homem cordial" de Sérgio Buarque de Holanda - aquele que necessita do contato direto com o líder, marcado pela deferência, pelo contato físico, pelo carinho - e a busca da proteção e mando paterno de Freud. As duas possibilidades levam à forte necessidade de proximidade física e tendência à idolatria.  Talvez tenha relação com nossa história de dominação quase estamental, onde a maioria dos brasileiros nunca esteve do lado de dentro do poder político, sendo, antes, cortejada como "menoridade" intelectual, necessitada de proteção do mais forte.

A questão é que a revolta é latente, o que nos leva à escala emocional entre a infância e a adolescência da nossa cultura política. Não conseguimos atingir, de fato, a maturidade da autonomia, do controle sobre as instituições políticas. Mas nos revoltamos. E com certa freqüência.

Toda esta elucubração para compreender este imã que figuras como Joaquim Barbosa e Marina Silva acabam gerando de tempos em tempos. A atração pelas duas personalidades, acredito, surge por motivos quase antagônicos relacionados com esta realidade que citei acima.

Joaquim é pai severo. Aponta o dedo e não tolera perda de tempo. A ansiedade pela justiça divina é traço revelador. O personagem carrega, ainda, um elemento de revanche porque é negro. Um representante das camadas mais humilhadas de nossa população, com poder e intolerância típicas do pai mais severo da nossa cartilha patriarcal tem algo de revanche, repito.
Marina é o outro lado. É nossa origem ingênua e pura, reclamando um lugar que nunca nos é dado. Marina nunca entra no jogo.

Quando entra, é como se afirmasse que existe e que sabe jogar como os adultos, se for necessário. Quando o faz, se afirma e deixa de ser "café com leite". Mas só para demonstrar que sabe jogar porque este não é seu lugar. Logo volta no canto da sala. Todos fingem que  não percebem sua presença, mas temem nova traquinagem.

Estes sentimentos difusos se articulam na nossa "menoridade" política.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247