Reflexões sobre o "favoritismo de Dilma", apontado por Marcos Coimbra

Presidente do Instituto Vox Populi aposta na vitória de Dilma nas próximas eleições. Eu ainda não

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O texto de Marcos Coimbra, presidente do Vox Populi, publicado no site da Carta Capital no dia 18 tem que ser visto com cautela por todos aqueles que se consideram "de esquerda". Escreve Coimbra: "seja quando apontaram o nome do vencedor, seja quando deixaram claros os sentimentos com que o eleitorado estava indo para as urnas, as pesquisas feitas a distância em que estamos da eleição foram capazes de mostrar o que terminou por ocorrer" (grifo meu), para concluir que "Sempre é possível que o inesperado aconteça". Mas o provável é que as pesquisas de agora sejam confirmadas em outubro, como nas eleições anteriores. Porém, Coimbra não fala nada sobre o sentimento atual do eleitorado.

Qual é o "sentimento do eleitorado"?

O sentimento é de vontade de mudança. Acho que não precisamos de nenhuma pesquisa pra demonstrar isso em janeiro/2014, mas temos o Datafolha de 30/novembro: "Uma pesquisa do Datafolha, divulgada no sábado, mostrou que 66 por cento dos entrevistados preferem que as ações do próximo presidente sejam, de modo geral, diferentes das ações tomadas por Dilma, apesar da avaliação da petista ter subido para 41 por cento, depois de ter atingido seu menor patamar (30 por cento) em junho, na esteira das manifestações populares" (veja aqui). Ao mesmo tempo em que a pré-candidata do PT tem muita intenção de voto. Parece um paradoxo, mas não é: a maioria do povo sabe que a verdadeira mudança só pode, nas atuais condições, ser viabilizada por um verdadeiro governo do PT, pois foi nos governos do PT que a vida do povo melhorou. Melhorou pouco, mas comparar a vida do pobre trabalhador sob o governo do PT com a vida nos governos anteriores... é como comparar um gol de Neymar com o gol contra de Felipe Melo na Copa de 2010.

E pode haver mudança com um novo governo do PT? Um governo que de fato, desse a palavra ao povo, convocando uma Assembléia Constituinte soberana para "passar o país a limpo". A presidenta Dilma propôs em 24/junho, em meio aos protestos, um plebiscito por uma Constituinte para fazer a reforma política. Mas Dilma recuou, por pressão de Michel Temer, do PMDB, e Joaquim Barbosa, estes sim, defensores do status quo. E dias depois, o Datafolha confirmava que 73% dos brasileiros eram a favor da proposta da presidenta sobre o plebiscito.

Quando eu, no semestre passado, durante uma discussão política na periferia de Sumaré/SP, pergunto porque Dilma recuou do plebiscito, antes que eu fosse responder, uma senhora muito humilde presente responde: " é porque a Dilma tem a pressão dos grandões. Não falo grandão daqui, falo dos grandões de fora, lá dos EUA".

O povo não é bobo, gente! Sabe que Dilma se recusa a enfrentar aqueles que de fato mandam nesse país. Como recuou de enfrentar os banqueiros, voltando a subir os juros. Como recuou, quando ficou só na ameaça de exigir a contrapartida de abrir o "caixa-preta" das montadoras para dar a isenção fiscal do IPI - política essa no mínimo muito controversa, que não protege empregos, mas esmaga os orçamentos dos pequenos Estados e municípios - e quando Dilma realiza o leilão de Libra para tirar 6 bilhões do caixa da Petrobrás pra fazer caixa para o superávit primário - o bolsa-banqueiro. ou ainda quando cedeu a todas as pressões do mercado, fazendo as concessões/privatizações, ainda que com algumas diferenças, mas com base nos mesmos argumentos chulos de FHC.

E pior: Dilma segue sujeitando-se as pressões do PMDB. E governar com o PMDB pra quê? Só se for para não mudar nada. Ou retroceder. Vejamos:

Código florestal: PMDB estava de um lado, o PT do outro;
Marco Civil da internet: PMDB é contra a neutralidade da rede, PT a favor;
Reforma política: PMDB é contra qualquer Reforma, o PT é a favor de uma verdadeira Reforma;
Maioridade penal: PMDB é pela redução, o PT é contra.

Qual é a base programática a unir PT e PMDB? É governando com o PMDB que Dilma e o PT querem convencer os jovens que vão às ruas que vão mudar algo pra valer?

O PMDB sabota as mudanças necessárias, a começar pelo vice-presidente da República. Se o PMDB ameça sair do governo federal, que vá. O quanto antes melhor. E Dilma, como Presidenta da República, e o PT com sua força política, têm que liderar a mudança desde já.

Tem que começar a enfrentar os poderosos. Se Dilma der um passo, o povo certamente vai apoiá-la nas ruas. A situação é totalmente favorável. Basta vontade política.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247