Ressaca Moral

O cartunista Miguel Paiva, membro do Jornalistas Pela Democracia, afirma que o atual governo brasileiro parece uma comédia ruim; ele diz: "sabe aquela comédia de teatro ruim, com um texto da pior qualidade, sem nenhuma criatividade, atores de última, cenários péssimos e uma trilha sonora de dar pena? (...) O público começa a perceber que entrou numa roubada, quer o dinheiro de volta, começa a se mexer na poltrona mas não tem jeito"

Por Miguel Paiva, para o Jornalistas Pela Democracia - Sabe aquela comédia de teatro ruim, com um texto da pior qualidade, sem nenhuma criatividade, atores de última, cenários péssimos e uma trilha sonora de dar pena. 

Pois é, mas a peça continua, primeiro, segundo e terceiro ato, como se usava antigamente. O público começa a perceber que entrou numa roubada, quer o dinheiro de volta, começa a se mexer na poltrona mas não tem jeito. 

O pessoal escolheu aquela peça entre outras e agora tem que aguentar. Esse é a sensação que eu tenho. Uma comédia bufa de quinta. E o mais incrível que poderíamos estar vivendo um outro momento mas a campanha desta peça ridícula e as notícias falsas espalhadas acabaram conduzindo o público para isso. Quanto tempo vai durar não sabemos. 

Talvez chegue ao fim do terceiro ato e o povo continue pedindo bis. Tudo é possível.

Pra mim, até então, política era uma coisa séria. Apesar de ter vivido momentos quase que patéticos nunca tinha visto tal despautério político no comando de um país. Passei por Jânio na minha infância, que usou de métodos heterodoxos para governar, dedicou parte do seu tempo ao jogo do bicho, ao maiô das mulheres e a homenagear Che Guevara. Vai entender sua contradições. 

Renunciou para voltar nos braços do povo e acabamos entrando num período conturbado que resultou na ditadura militar. Nada mais grave, nada mais sério. Nos tempos em que vivi na Itália, política era coisa seríssima. Passei pelos atentados terroristas de direita, pela confusão trágica das Brigadas Vermelhas, pela morte de Aldo Moro e o país todo ocupando suas ruas para que nenhum aventureiro lançasse mão. 

Vi um Partido Comunista nos anos de 1970 quase chegar ao poder justamente por conta do compromisso histórico que Moro estava indo assinar no Parlamento quando foi morto. A violência não é engraçada, é séria. Só quando é falsa corre o risco de assumir pinceladas patéticas, ou melhor, facadas patéticas.

Na volta ao Brasil vivemos um grande momento de euforia política, de abertura, de possibilidades mesmo que controladas de mudarmos nosso rumo. E conseguimos a duras penas. Nada engraçado, nem nada ridículo. Política com todas as suas nuances e armadilhas. 

Com sua moral quase católica a esquerda se recusava a fazer o jogo esperto e escancarar no debate Lula X Collor para revelar quem era o Collor. A direita inventou até não poder mais para conseguir o que queria. Mentir é fácil, é devastador. Desmentir é sem graça, quase burocrático. Ninguém vê. E esse jogo a direita faz como ninguém.

Vivemos transições lentas, falsas transformações mas chegamos numa democracia plena que apesar dos desvios caminhava a passos largos. Nada engraçado apesar da postura esnobe do FHC, do jeito curioso e fascinante do Lula falar e das gafes ingênuas cometidas por Dilma. 

Mas nada engraçado, pelo contrário. Situações sérias de descontrole como a prepotência da tentação de poder, e a lambança que a proximidade ao palácio causa nas pessoas, acometeram todos os governos. 

A desonestidade e a malandragem ocuparam muitos espaços e a deslealdade e a falta de seriedade política de quem governava e de quem era oposição acabaram criando um jogo de empurra onde a democracia despencou pelo abismo. 

Mas agora chegamos a um ponto em que a coisa deixará de ser engraçada para ser trágica. Não riremos mais nos bares das palhaçadas do Planalto. Vamos continuar bebendo e sofrendo essa ressaca moral que o Brasil nos levou. 

A situação parece engraçada e os protagonistas do espetáculo se acham comediantes, os melhores, aqueles que levam a sério a palhaçada. 

Mas nós, o público ou levantamos e vamos embora em busca de outro espetáculo ou terminaremos assistindo a uma tragédia da pior qualidade, com o mesmo texto ruim, atores péssimos, cenário quase que destruído e trilha sonora tipo marcha fúnebre. 

Não estou sendo excessivamente dramático. Só estou usando o humor no que ele sabe fazer de melhor, ser sério.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247