Revelações da Guerra de Independência de Israel

Os relatos de soldados falam de assassinatos de homens, mulheres, idosos e crianças.

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


Esta semana o jornal Haaretz de Israel, publicou artigo sobre informações de assassinatos cometidos por soldados das forças armadas em 1948 durante a guerra de independência. Os relatos dão uma ideia das atrocidades e do acobertamento que se seguiu.

Até agora o que se sabia dizia respeito a alguns excessos de guerra. Aquilo que os militares costumam chamar de efeito colateral, mas não havia evidências oficiais suficientes que pudessem corroborar o que de fato havia acontecido. Tudo isso começa a ser esmiuçado e o que fica-se sabendo envergonha a todos nós.

Quero deixar claro que não existe guerra limpa. Em todas as guerras do mundo, civis são mortos, prisioneiros são assassinados, roubo, pilhagem e estupros são cometidos. Normalmente a parte vencedora tende a jogar para baixo do tapete os seus crimes de guerra e enaltecer os crimes cometidos pelo lado perdedor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os fatos falam por si só e documentos que só agora estão vindo a público descrevem aqueles dias em que Israel lutava contra 6 exércitos árabes para permanecer como nação. Não bastava declarar a Independência, era preciso resistir e sobreviver.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tradução livre de trechos da matéria:

Em outubro de 1948, duas grandes operações foram lançadas, a Operação Yoav no sul e a Operação Hiram no norte. Em menos de três dias, o exército ocupou a região da Galiléia. Em um período de 30 horas, dezenas de aldeias árabes no norte foram ocupadas e dezenas de milhares de residentes fugiram de suas casas.  Cerca de 120.000 árabes permaneceram da Galiléia, a grande maioria não participou dos combates. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os relatos de soldados falam de assassinatos de homens, mulheres, idosos e crianças. Na maioria das vezes, eram colocados dentro de uma casa que depois era explodida. Os bens de algum valos eram espoliados. 

Em um destes testemunhos, Shmuel Mykonis, membro do Conselho de Estado Provisório em nome do Partido Comunista, relata atos horríveis de terrorismo acontecidos. O relato de Mykonis contornou a censura em tempo real ao enviar uma pergunta ao primeiro-ministro, localizada nos arquivos do Knesset. Em seu apelo a Ben-Gurion, ele exigiu saber sobre atos cometidos, segundo ele, por membros do Irgun (uma milícia de extrema direita): "A. usou uma metralhadora para matar 35 árabes que se entregavam com uma bandeira branca em suas mãos. B. capturou moradores pacíficos - entre eles mulheres e crianças, ordenou-lhes que cavassem um buraco, depois utilizou longas baionetas francesas para os empurrar nele e atirou nos infelizes até que todos fossem mortos inclusive um com um bebê em seus braços C. Crianças árabes de 13 a 14 anos que brincavam com granadas foram todas baleadas."

Um documento encontrado nos arquivos do Yad Yaari fala sobre um caso desconhecido ocorrido em al-Burj (agora Modi'in). Após a conquista da aldeia, alguns poucos idosos lá  permaneceram. "Três deles, duas idosas e um idoso foram levados para uma casa. Seis granadas de mão foram atiradas para dentro da casa, e mataram o idoso e uma idosa. Eles mataram a terceira idosa com uma arma, depois incendiaram a casa e queimaram o corpos."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Milhões de documentos dos primeiros anos do país estão armazenados em arquivos do governo e o público não tem acesso a eles. Soma-se a isso a censura em vigor em Israel: nos últimos anos, o Malamav (Comissário de Defesa) tem examinado arquivos em todo o país e ocultado evidências de crimes de guerra, conforme revelado anteriormente na investigação do Haaretz .

A base foi lançada na década de 1980 pelo historiador Benny Morris, que conduziu um estudo pioneiro abrangente nos arquivos. Posteriormente, outros estudos se juntaram, incluindo o trabalho do historiador Adel Manaa, que se especializou em documentação oral e pesquisou o passado dos árabes de Haifa e da Galiléia. Manaa descreveu, entre outras coisas, os esquadrões de execução que massacraram nove residentes de Majd al-Krum durante a Operação Hiram. Publicações adicionais ao longo dos anos gradualmente preenchem o quebra-cabeça que faltava.

Morris contou anteriormente 24 massacres durante a guerra. Hoje já se pode dizer que o número é maior, podendo chegar a várias dezenas de casos. Em alguns deles uns poucos mortos, em outros algumas dezenas, e também há casos em que o número de vítimas ultrapassou cem. Além do massacre em Deir Yassin, que ocorreu em abril de 1948 e causou comoção ao longo dos anos, parece que este triste pedaço da história foi suprimido e afastado do discurso público em Israel.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entre os massacres proeminentes durante os dias da Operação Yoav e da Operação Hiram estão os eventos nas aldeias de Tslha, Tzafatzaf e Davima. No vilarejo de Tzalha, localizado próximo à fronteira com o Líbano (hoje Kibutz Yaron), a 7ª Brigada executou entre 60 e 80 moradores em uma prática que foi usada várias vezes durante a guerra: concentrar moradores em um prédio do vilarejo e explodi-lo enquanto as pessoas estão dentro.

Na aldeia de Tzafatzaf perto de Safed (hoje Moshav Safsufa), soldados da 7ª Brigada massacraram dezenas de residentes. De acordo com um depoimento, que os homens do MALMB ordenaram que ocultassem ilegalmente, eles “prenderam 52 homens, amarraram-nos uns aos outros, cavaram um fosso e atiraram neles. Mais 10 form mortos. As mulheres vieram, implorando por misericórdia. Foram encontrados 6 cadáveres antigos. Havia 61 cadáveres. Três casos de estupro ”.

Na aldeia de Davima, na região de Lachish (hoje Moshav Amatzia), soldados da 8ª Brigada massacraram cerca de 100 pessoas. Um soldado que testemunhou os acontecimentos  os descreveu a um homem do Mapam: “Não houve batalha nem resistência. Os primeiros ocupantes mataram cerca de 80 a 100 árabes, mulheres e crianças. Eles mataram as crianças enquanto esmagavam seus crânios com varas. Não havia casa sem os mortos. "De acordo com um oficial de inteligência estacionado na aldeia dois dias depois, o número de mortos chegou a 120."

No que foi publicado na revista "Ner" imediatamente após a guerra por um soldado anônimo, foi dito que o fenômeno de matar pessoas inocentes se espalhou no exército. O escritor contou como um membro da unidade assassinou uma mulher árabe que ficou para trás durante a ocupação da aldeia de Lubia, que se localizava na baixa Galiléia: “Isso virou uma espécie de moda.”  E quando reclamei com o comandante do batalhão sobre o que estava acontecendo e pedi que parasse com essa violência, que não tem justificativa militar, ele deu de ombros e disse: "não há ordem de cima para impedir isso". E desde então o batalhão está em declínio. "Suas conquistas militares continuaram, mas as atrocidades abundaram."

Em novembro-dezembro de 1948, quando a pressão da guerra cedeu, o governo aproveitou a oportunidade para discutir os relatos dos massacres, que chegaram aos ministros de várias formas. O exame das transcrições das discussões não deixa margem para dúvidas: a elite política soube em tempo real das atrocidades que muitas vezes acompanharam a ocupação das aldeias árabes.

Embora as atas das reuniões tenham sido abertas para revisão já em 1995, as seções dedicadas ao "comportamento militar na Galiléia e no Negev" - como foram chamadas na agenda do governo - permaneceram censuradas até hoje. A publicação agora é possível após solicitações do Traces Institute for State Archives para divulgar totalmente as discussões do governo de 1949-1948. Mas embora grandes seções tenham sido liberadas para publicação, outras seções permaneceram censuradas. É claro que as referências diretas a crimes de guerra ainda estão entre as seções censuradas. Mas a discussão entre os ministros sobre a investigação ou não dos crimes, que estão ocultos há 73 anos, agora está à disposição de investigadores, jornalistas e cidadãos curiosos.

As conclusões dos comitês criados após a guerra para investigar os excessos e suas recomendações não foram implementadas. Poucos foram julgados e condenados. Mesmo estes poucos que não gostaram do silêncio e do acobertamento e foram condenados por crimes de guerra, finalmente receberam a isenção da punição. Em fevereiro de 1949, um perdão retroativo geral foi concedido para crimes cometidos durante a campanha. Aqui é importante notar que os massacres ocorreram nos dias em que o Judiciário das FDI foi formado.Talvez por isso uma cultura organizacional foi assimilada no exército que facilita a matança de palestinos em condições operacionais.

Uma publicação como esta deveria trazer comoção em qualquer país moderno e democrático dos nossos dias. Não é o que acontece em Israel. Fora o Haaretz, nenhuma outra mídia deu voz as novas descobertas. Existem muitas razões para isso, mas entre elas os mais recentes ataques contra civis judeus. Foram cinco nas últimas duas semanas, dois deles perpetrados por menores de idade.

No último, uma menina palestina de apenas 14 anos, esfaqueou com uma faca de cozinha uma vizinha judia de seu bairro. O ataque aconteceu na rua a luz do dia quando ela empurrava o carrinho de bebê junto com seus dois filhos pequenos.  

Os exércitos árabes também cometeram atrocidades durante a guerra, mas este é um tema para outro artigo no futuro. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email