Richa ataca covardemente as universidades estaduais

Autoritário, Richa está retirando a autonomia das universidades, prevista no artigo 207 da Constituição Federal, e as sufocando economicamente, o que inviabiliza qualquer possibilidade de desenvolvimento científico e tecnológico

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Paraná é um estado em que a disparidade brasileira e a mentalidade colonialista da direita são bem observadas. Seu território abriga indústrias tecnológicas de ponta e cortadores de cana que chegam aos 50 com aparência de 70 anos. É o estado com o segundo maior número de universidades estaduais, mas é administrado por um partido que, ao invés de valorizar o patrimônio acadêmico dos paranaenses, trabalha para o enfraquecer, inviabilizar e desmantelar.

Em segundo mandato, o governador tucano Beto Richa (PSDB) é eloquente quando revela sua mentalidade sintonizada com a Teoria da Dependência, preconizada pelo farol do PSDB, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Autoritário, Richa está retirando a autonomia das universidades, prevista no artigo 207 da Constituição Federal, e as sufocando economicamente, o que inviabiliza qualquer possibilidade de desenvolvimento científico e tecnológico.

Por meio do Decreto 7.599/13, o tucano se recusa a cumprir entendimentos e acordos firmados, em 2012, entre a Associação Paranaense das Instituições de Ensino Superior Público (Apiesp), a Celepar e Secretária de Administração e Previdência (SEAP) quanto a inviabilidade técnica de as universidades executarem suas despesas com pessoal pelo Sistema RH Paraná – Meta 4.

O desprezo pelas decisões dos acordos se repete. Durante reunião em que o governador participou, com os reitores, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) e Secretaria da Fazenda (SEFA), em 2015, acordou-se retirar as universidades do sistema META 4. Até o momento, não houve o cumprimento do acordo e as instituições públicas estaduais de educação estão sendo cobradas pelos órgãos fiscais, sob pena não ter acesso a recursos para os mais diversos fins.

Ainda não satisfeito o seu descaso com a educação e ciência, Richa edita o decreto 446, por meio do qual exige que todas as viagens dos servidores das instituições de educação superior (IES), sejam previamente autorizadas pelo Governo do Estado. A deliberação pessoal do vaivém nas sete IES, o que demanda um departamento em cada uma, com mais de um servidor dedicado.

Com uma canetada, Richa passa para o seu controle as viagens de 8.600 agentes universitários e oito mil professores, dos quais 90% mestres e doutores. As IES oferecem 333 graduações, 209 especializações, 128 mestrados e 54 doutorados, para cerca de 122 mil estudantes.

A questão foi, também, objeto de acordo entre Apiesp e governo, quando o tucano, pessoalmente, determinou ao secretário de Fazenda, Mauro Ricardo Costa, a revogação do decreto, o que não foi feito até o momento. A decisão é uma afronta à autonomia das IES e aos servidores. Pesquisas, reuniões, intercâmbios correm sérios riscos a uma sorte de entraves e atrasos.

Sem medidas para demonstrar seu desrespeito pela educação e ciência, Richa baixa ainda mais o nível da covardia e desfere mais um golpe contra as IES. Em março, por meio da Resolução 196, ele obriga as instituições recolherem à Secretaria da Fazenda 80% de seus superávits financeiros. A norma comprometeu o cumprimento de acordos e convênios estabelecidos em diversas áreas.

Mais uma vez, o governador se comprometeu a rever a norma e, novamente, não cumpriu o que foi compromissado. O governador ainda emitiu em junho, o Decreto 4224, que obriga as IES a usar o que lhes resta de superávit para o pagar PASEP, energia elétrica e água, num claro desvio de finalidade de aplicação do recurso.

Generoso, o governador não poupa esforços para demonstrar o quanto consegue ser prejudicial ao desenvolvimento do estado. Em maio, Richa edita o Decreto 4189, pelo qual assume todas as IES e retira-lhes totalmente as autonomias administrativa, pedagógica, burocrática e financeira.

Abertura de concurso público, testes seletivos, promoções, convênios e contratação de professores colaboradores, como previstos em lei, todos esses atos, legítimos da autonomia das IES, estão agora sob o crivo único e exclusivo do governador. Richa compromete estruturalmente o desenvolvimento do estado. Leva-se até 40 anos ou mais para se formar um mestre ou doutor. O estado do Paraná caminha, a passos largos, contra o seu crescimento.

Feito com justiças econômica, social e ambiental, o desenvolvimento científico, tecnológico e industrial é reflexo de uma sociedade complexa, que superou a condição de produtora e exportadora apenas de commodities e de serviços básicos. Desenvolvimento, esse, que esbarra em decisões arbitrárias de um governador marcado pela violência contra servidores públicos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247