Saída de Brasil da Celac compromete acordo com o México

A jornalista Tereza Cruvinel afirma que o México pode sair de acordo comercial com o Brasil. Ela diz: "o México ainda não formalizou a interrupção das negociações do acordo bilateral mas há sinais de que, em consequência da indelicadeza brasileira, poderá desistir das negociações"

Obrador é luz em Continente devastado
Obrador é luz em Continente devastado (Foto: Reuters)

Brasil e México vinham negociando, desde outubro, um acordo de livre comércio que poderia zerar as tarifas de importação para 205 produtos brasileiros. Entre eles, máquinas e equipamentos, produtos químicos e metalúrgicos, borracha e alimentos, entre outros. A indústria nacional, que anda mal das pernas, tinha e tem grande interesse neste acordo que poderia alavancar exportações nacionais. Agora, este acordo pode ser comprometido pela decisão brasileira de deixar a Celac,  comunidade latino-americana e caribenha que reúne 33 países,  justamente na hora em que o México assume a presidência rotativa do grupo e sedia sua reunião.

Durante duas semanas, representantes do governo do presidente mexicano Lopes Obrador tentou obter do Itamaraty a confirmação da participação brasileira na reunião de fevereiro e a indicação dos representantes.   Finalmente, depois de muitas evasivas,  o Brasil informou que deixará de participar do grupo, o que deixou bastante contrariado o governo de Obrador, que tomou a medida também como descortesia bilateral.

Alega o Itamaraty que o grupo não tem um programa e um potencial relevantes para o Brasil, embora se saiba que o fato de Cuba, Nicarágua e Venezuela nele terem assento foi determinante. Bolsonaro e o chanceler Araújo, como é sabido, não gostam dos governos de esquerda destes países e, no caso da Venezuela, reconhecem Juan Guaidó e não Nicolás Maduro como presidente.

O México ainda não formalizou a interrupção das negociações do acordo bilateral mas há sinais de que, em consequência da indelicadeza brasileira, poderá desistir das negociações. O que será uma perda para a indústria nacional, por conta da política externa ideológica  de Bolsonaro-Araújo e do alinhamento servil aos Estados Unidos, que por não participarem da Celac, também são refratários ao grupo.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247