Sem mimimi, quem vai tirar o bode da sala?

Jornalista Florestan Fernandes Júnior avalia a situação política do ex-juiz da Lava Jato e ministro da Justiça, Sérgio Moro, que tem sido alvo de humilhaões e derrotas por Jair Bolsonaro; "Hoje o que não faltam são motivos para Sergio Moro pegar o boné e voltar pra casa. Dizem que ele estaria negociando sua ida para a equipe do amigo governador, João Doria. Sem mimimi, vamos aguardar pra ver, como aconselharia dona Rosângela Moro", escreve Florestan

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Florestan Fernandes Júnior, para o Jornalistas pela Democracia 

"Parem de reclamar e esperem para ver a que veio esse novo governo. Redução de custos (do seu $$), corte de despesas desnecessárias, zero propina. Chega de mimimi. Apenas espere e assista!" A frase presunçosa da mulher de Moro, Rosângela, foi postada nas redes sociais em 8 de janeiro deste ano.  

Nestes oito meses, assistimos estarrecidos aos diálogos nada "legais" do marido dela com os procuradores da Lava Jato. Conversas que comprometem não só a operação que culminou com a prisão do ex-presidente Lula como a própria lisura da eleição de Bolsonaro, de quem Moro ganhou um ministério e a promessa de uma vaga no Supremo.  

Vimos também a submissão de Sergio Moro ao clã Bolsonaro blindando as investigações que envolvem suposto desvio de dinheiro público no gabinete de Flávio Bolsonaro. Nada fez para esclarecer a movimentação financeira atípica de Fabrício Queiróz, ex-assessor de Flávio.  

Nada transparente, Sergio Moro se recusou a atender pedido feito pela Folha de São Paulo, via Lei de Acesso à Informação, dos documentos que repassou ao presidente com informações das investigações feitas pela PF sobre os as candidaturas laranjas do PSL.  

O "congê" de dona Rosângela demonstrou despreparo para o importante cargo que ocupa. Seu projeto anticrime, por exemplo, está travado na Câmara. Especialistas disseram que o projeto pode ser um retrocesso na proteção da mulher contra agressões e contra o feminicídio. Entre outras coisas, por permitir que se invoque a “violenta emoção” como legítima defesa. Já a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) considerou inconstitucionais algumas medidas apresentadas no texto de Moro. Ainda sobre o projeto, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) criticou a ausência de medidas para o enfrentamento da corrupção policial.  

Enfraquecido, Sergio Moro é apenas uma sombra do juiz herói construído pela mídia nos últimos quatro anos. De avalista moral de Bolsonaro, passou a ser devedor do presidente por ainda permanecer no cargo. Seu ministério perdeu o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) para Paulo Guedes e também o comando da PF. O recado veio esta semana da boca do próprio Bolsonaro que afirmou que o diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo é subordinado a ele e não ao ministro da Justiça e da Segurança Pública.  

Preocupado com o desgaste do ministro, um site de extrema-direita chegou a pedir que Bolsonaro demita Sergio Moro e pare de constrangê-lo publicamente.  

Hoje o que não faltam são motivos para Sergio Moro pegar o boné e voltar pra casa. Dizem que ele estaria negociando sua ida para a equipe do amigo governador, João Doria. Sem mimimi, vamos aguardar pra ver, como aconselharia dona Rosângela Moro.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247