Senador é vítima de negação política

Obviamente que lugar de corrupto é na cadeia, mas para isso é necessário o devido processo legal, a tipificação criminal e a clara e inequívoca ação propositada de lograr dividendos para tal ação. Preceitos estes ambíguos, ou simplesmente, ausentes na ação "política" que condena o Senador Acir Gurgacz

Senador é vítima de negação política
Senador é vítima de negação política (Foto: José Cruz)

Uma das grandes ações dos estados autoritários com feições fascistas é criminalizar a política com o tal discurso do falso moralismo e a marginalização das ações que compõem o exercício, inclusive parlamentar.

Obviamente que lugar de corrupto é na cadeia, mas para isso é necessário o devido processo legal, a tipificação criminal e a clara e inequívoca ação propositada de lograr dividendos para tal ação. Preceitos estes ambíguos, ou simplesmente, ausentes na ação "política" que condena o Senador Acir Gurgacz.

Talvez, o grande crime praticado pelo Senador tenha sido ser empresário, gerar empregos, ousar participar da vida pública por um partido de esquerda, ter contrariado o relatório do Tribunal de Contas da União que pediu a rejeição das contas da Presidente Dilma Rousseff, entre outras ações.

Praxe comum em tempos de anormalidades democráticas, os pêndulos da justiça seguem desajustados e viciados numa cruzada que alimenta a negação política e a barbárie jurídica.

Casos escabrosos de verdadeiras ações corruptivas são arquivados ou adormecem nas gavetas fundas dos tribunais aguardando serenamente suas prescrições; tudo dependendo do CPF do processo, ou a filiação partidária.

A ação financeira na qual o Senador é indevidamente criminalizado não gerou qualquer prejuízo ao erário. Empréstimos são pagos com os devidos juros acordados; o banco objeto de tal ação financeira atesta que tudo, absolutamente tudo, foi cumprido rigorosamente como mandam os trâmites. Curioso que todos foram absolvidos, porém apenas, e somente exclusivamente o Senador foi condenado.

O que diria a deusa grega Têmis diante de tamanha agressão e parcialidade da justiça brasileira?

Por que tal condenação?

A quais interesses servem tamanha jabuticaba jurídica?

Sábia reflexão do grande poeta Bertolt Brecht:

"Primeiro levaram os negros,
Mas não me importei com isso
Eu não era negro.

Em seguida levaram alguns operários,
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário.

Depois prenderam os miseráveis,
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável.

Depois agarraram uns desempregados,
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei.

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo."

Infelizmente já vivemos num Estado de exceção com as bênçãos do Poder Judiciário, compadrio do esfacelamento da democracia e do Estado Democrático de Direito.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247