Será um escândalo se STF não barrar novo chefe da PF

"Será um escândalo se o STF não barrar essa afronta ao estado de direito, pois salta aos olhos a intenção do ainda presidente de colocar a Polícia Federal a serviço de seus interesses políticos e pessoais, o que pode abrir caminho para o estado policial característico das ditaduras", escreve Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

STF e Alexandre Ramagem
STF e Alexandre Ramagem (Foto: Reuters | Marcos Oliveira/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

No dia 18 de março de 2016, o ministro do STF Gilmar Mendes anulou a nomeação de Lula para a Casa Civil de Dilma Rousseff – que tinha tomado posse no dia anterior – alegando que o motivo seria blindá-lo da Operação Lava Jato, que estava empenhada em colocá-lo atrás das grades; ministro tem imunidade.

Diz Gilmar em sua sentença: “O objetivo da falsidade é claro: impedir o cumprimento de ordem de prisão de juiz de primeira instância. Uma espécie de salvo conduto emitida pela presidente da República”.

Aberto esse precedente, parece lógico que a nomeação de Alexandre Ramagem para a chefia da Polícia Federal também seja anulada, posto que ficou público e notório que ela se destina a objetivos explicitados pelo ainda presidente Jair e que são de seu interesse pessoal: 1) apontar quem mandou matar o ainda presidente Jair quando ainda era candidato; 2) acobertar ilícitos de seus aliados, sejam políticos ou empresários; 3) acelerar processos contra seus adversários políticos e 4) dar-lhe acesso a relatórios de investigações sigilosas.

Além desses quatro motivos expostos publicamente pelo ainda presidente Jair, a razão principal de sua nomeação a toque de caixa é tentar salvar seu amigo pessoal, filho do ainda presidente Jair, já apontado pela PF como o mentor da quadrilha de difamações investigada no caso das fakenews e que pode atingir outro filho, crimes pelos quais podem ser presos e ainda o próprio ainda presidente, que pode perder seu mandato.

A sentença de Gilmar de 2016 pode ser reescrita dessa maneira para justificar o impedimento de Ramagem:

“O objetivo da falsidade é claro: impedir o bom andamento das investigações sobre Carlos Bolsonaro além de atender a outros interesses pessoais da presidência. Uma espécie de salvo conduto para filhos e aliados emitida pelo presidente da República”.

Será um escândalo se o STF não barrar essa afronta ao estado de direito, pois salta aos olhos a intenção do ainda presidente de colocar a Polícia Federal a serviço de seus interesses políticos e pessoais, o que pode abrir caminho para o estado policial característico das ditaduras.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247