Serão a PGR e o STF déspotas?

A PGR e o STF, em nome do combate à corrupção, estão legitimando a desintegração e corrosão do Estado brasileiro, a destruição da economia e das nossas instituições. Seus diversos atores (herdeiros de Joseph Raymond McCarthy?) serão julgados pela História  

Constituição Justiça
Constituição Justiça (Foto: Pedro Maciel)

Todos nós conhecemos a tripartição dos Poderes e a funcionalidade que representa. Assim como sabemos que ao longo da História não foram poucas as vezes que tiranos apropriaram-se do Poder Executivo e submeteram os demais poderes ao seu arbítrio.

Aliás, a nossa república, por exemplo, é fruto de um golpe militar; um golpe patrocinado por uma elite agrária, vingativa e ressentida. O tal Marechal Deodoro, que dizem era um Monarquista, se prestou ao papel de protagonista de um golpe militar que expulsou do país o imperador, "do dia para a noite". O golpe de 1889 teria ocorrido porque a elite da época não foi indenizada pela coroa em razão da abolição da escravatura.

Como de valores democráticos não nasceu essa nossa republica ocorreram outros golpes. A confirmar isso posso citar o "Golpe de Três de Novembro", como ficou conhecido na história do Brasil o golpe do então presidente Marechal Deodoro da Fonseca. O presidente monarquista dissolveu congresso em três de novembro de 1891 e instaurou um estado de sitio; tudo muito legal, afinal ele assinou decretos. Esse ato de Deodoro suspendeu a constituição e direitos individuais e políticos. O exercito cercou o Senado e garantiu ampla e "espontânea" adesão ao golpe...

Os "subversivos" foram presos como de praxe.

E de triste memória podemos citar o Golpe civil-militar de 1964 (que foi concebido em 1950 com a vitória de Getúlio Vargas; vitória indesejada pelas oligarquias de então). Merece registro que o golpe não aconteceu em 1954 porque Vargas suicidou-se e, transformado em mártir, adiou a sanha de poder daqueles que não tinham e não tem voto.

Bem, os golpes no século XXI não utilizam mais de tanques e baionetas, mas de manipulação de argumentos jurídicos e políticos que querem usurpar o papel da soberania popular na escolha dos governantes, com diligente concurso de uma imprensa canalha.

Eu não imaginei que viveria um Golpe de Estado. Mas vivi e o Golpe está consolidado; o que vemos hoje é a disputa entre os principais autores da ruptura institucional em controlar o Poder executivo. Dentre eles está o Ministério Público Federal, especialmente a Procuradoria Geral da República.

Estou a afirmar que os movimentos metajurídicos visíveis indicam que a PGR pretende apropriar-se do Poder Executivo, controlá-lo e pautá-lo. Noutra banda vemos o STF apropriando-se do Poder Legislativo, tudo sem disputar eleições como gostam os tiranos.

A PGR e o STF, em nome do combate à corrupção, estão legitimando a desintegração e corrosão do Estado brasileiro, a destruição da economia e das nossas instituições. Seus diversos atores (herdeiros de Joseph Raymond McCarthy?) serão julgados pela Historia.

O Estado é a institucionalização do poder político para a realização do bem comum, sendo assim, o poder político é uma exigência indispensável à organização do Estado, cabendo a ele disciplinar a estruturação e as relações entre os vários agentes, públicos e privados. Negar a Política como caminho único é negar valores que fundamentam a própria democracia.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Constituição Justiça
Emir Sader

Fora Bolsonaro!

"Está na hora de dar um choque no pais, de sair de letargia, de deixar de nos sentirmos impotentes. Está na hora do Fora Bolsonaro!", defende o sociólogo Emir Sader defende a saída de Jair...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247